12/08/2019 •
2 min. de leitura

Tentativas de fraude no e-commerce diminuem no primeiro semestre de 2019

Segundo levantamento da ClearSale, houve uma diminuição de 5,90% em relação ao mesmo período do ano passado

 

Resumo do post:

- Números gerais sobre a fraude no primeiro semestre

- Categorias de produtos que mais sofreram ataques

- Ataques de fraude por regiões do Brasil

- Dicas de boas práticas contra fraudes

A ClearSale divulgou na última semana um estudo sobre as tentativas de fraude no primeiro semestre de 2019. Os números revelam que, a cada R$ 100 gastos em lojas online, R$ 3,06 sofreram tentativas de fraude. Uma diminuição de 5,9% em relação ao mesmo período no ano passado.

Para Omar Jarouche, diretor de Marketing, Planejamento Comercial e Soluções da ClearSale, a diminuição significa uma recuperação do e-commerce em relação às fraudes. “Temos observado no mercado que cada vez mais as empresas buscam soluções especializadas para evitar fraudes em seus negócios. Existem casos nos quais o pequeno empreendedor chega à falência devido a uma má compra. É necessário que tanto os clientes quanto os consumidores se protejam”, diz ele.

Categorias mais visadas

O segmento de smartphones aparece como o mais visado pelos fraudadores, seguido por games, bebidas, eletrônicos e informática. “O fraudador busca por produtos com uma maior liquidez. Celulares, por exemplo, são mais fáceis de vender do que uma geladeira. Costumamos dizer que ele escolhe pelo o que é mais simples de repassar em frente a uma escola, por exemplo”, finaliza Jarouche.

Já as regiões do país que mais sofrem tentativas de fraudes seguem as mesmas de antes. Em primeiro lugar, a região Norte (R$ 5,43 a cada R$ 100), seguida pela região Centro-Oeste (R$ 4,52), Nordeste (R$ 4,42), Sudeste (R$ 2,81) e Sul (R$ 1,57).

Dicas de boas práticas contra fraudes

1. Pesquise a reputação da loja antes de realizar a compra. O consumidor pode checar a lista do Procon de sites que devem ser evitados ou sites que avaliam as lojas. Caso não existam avaliações da empresa na internet, o recomendado é evitar efetuar a compra e buscar um outro site de confiança.

2. Averigue se o site tem a sigla "https" no endereço da Web ou um ícone de cadeado na parte inferior do navegador.

3. Suspeite se o desconto for muito maior no boleto. É comum que sites falsos tenham preços muito mais baixos para pagamento via boleto.

4. Procure dados oficiais da empresa como CNPJ, endereço físico e contato. Sites de e-commerce falsos podem não disponibilizar essas informações.

Conteúdo relacionado:

Antifraude: como garantir segurança e evitar prejuízos no e-commerce

E-commerce deve faturar R$ 2,7 bilhões com compras de Dia dos Pais

Chargeback: saiba como evitá-lo no comércio eletrônico

Relatório Neotrust é o censo do comércio eletrônico brasileiro

Título

Escrito por

Jornalista responsável pela produção de conteúdo da ClearSale, é graduado pela Universidade São Judas Tadeu e pós-graduado em Comunicação Multimídia pela FAAP. Tem 10 anos de experiência em redação e edição de reportagens, tendo participado da cobertura dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo. Renovado após seis meses de estudo e vivência no Canadá, aplica agora seus conhecimentos às necessidades do mundo corporativo na era do Big Data.