12/06/2017 •
2 min. de leitura

3 erros comuns ao tentar reduzir a fraude no universo online

A fraude de cartão de crédito é um problema sério e crescente para todos os comerciantes virtuais. Mas, ao tentar combater esses ataques cibernéticos, às vezes o que você não faz é tão importante quanto o que você faz. Vamos dar uma olhada nos erros mais comuns entre pequenos empresários em relação à administração antifraude? Assim será mais fácil para que você aprenda a evitá-los!

 

Mesmo os leitores mais assíduos do nosso blog ou de qualquer outro canal com a mesma temática, que já devem ter boas dicas para reduzir transações fraudulentas na ponta da língua, podem sofrer com este evento, pois os fraudadores são criativos. Então, vale a pena prestar atenção nesses erros comuns para ter certeza de que você não está sabotando seu próprio trabalho duro.

1. Configurações rígidas demais em filtros antifraude

Considerando quão disseminada a fraude é hoje em dia, muitos pequenos empresários preferem adotar as medidas de segurança mais rígidas. Isso pode parecer uma boa ideia, resultando em menos vendas fraudulentas, mas infelizmente também resultará em menos vendas de qualquer tipo.
Sistemas de prevenção à fraude muito rígidos podem levar a atrasos no envio de encomendas, o que pode frustrar clientes e fazê-los abandonar suas compras. Configurações muito estritas em seus filtros antifraude também podem produzir uma alta taxa de falsas rejeições, onde encomendas legítimas são rejeitadas porque o sistema antifraude detecta algo suspeito na transação.
A moral da história? Estabelecer um sistema que reduz transações fraudulentas na internet não é tão diferente de elaborar uma dieta saudável: tudo com moderação. Ajuste seus filtros antifraude para encontrar o equilíbrio perfeito entre segurança nas transações e conveniência para seus clientes.

2. Reação excessiva a sinais vermelhos

Seguindo esta mesma linha, outro erro muito comum ocorre quando pequenos empresários colocam muito peso em um ou dois sinais vermelhos, sem cuidadosamente analisar o quadro geral. Para ter certeza na utilização destes sinais, é essencial prestar atenção a coisas como alto volume de encomendas, endereços de entrega diferentes e um crescimento nas encomendas internacionais. Mas há vezes em que esses “sinais vermelhos” podem estar presentes até mesmo em transações legítimas.
Em outras palavras, nem toda encomenda enviada a uma caixa postal é sinal de fraude. Pode simplesmente significar que você tem um sinal vermelho em potencial que deveria ser analisado em conjunto com os outros dados da transação para determinar se realmente existe algo errado.
A chave é estar sempre alerta sobre como esses fatores individuais podem significar fraude, mas não reprima todo instante em que eles aparecem sem explorar outros fatores e condições relacionadas.

3. Preferência nacional

Estatísticas apoiam a necessidade de uma quantidade saudável de suspeita ao analisar transações internacionais. Apesar disso, alguns pequenos empresários assumem que enquanto todas suas vendas forem domésticas, eles não serão vítimas de transações fraudulentas.

É aí que mora o erro!

Muitos ataques cibernéticos também podem ocorrer domesticamente, então não caia na armadilha de simplificar demais o verdadeiro risco. Nem todas as vendas domésticas são válidas, nem todas as vendas internacionais são ruins.

Continue prestando muita atenção às irregularidades em suas encomendas internacionais, mas preste atenção também nas irregularidades em suas encomendas domésticas.

Título

Escrito por

Posts de convidados da Clearsale.