30/11/2018 •
2 min. de leitura

APIs: Entenda o que são Application Programming Interfaces e como utilizá-las na sua empresa

As APIs estão imersas no nosso cotidiano, desde o envio de mensagens em redes sociais até uma compra online. Saiba o que elas são e como funcionam.

 
 

Em um mundo cada vez mais imerso nas plataformas digitais, é improvável que você nunca tenha utilizado algum serviço que use APIs em sua estrutura. As APIs estão no nosso dia a dia de maneira muito efetiva, mesmo que nem sempre a gente se dê conta disso. Ao enviar mensagens em aplicativos de conversas instantâneas (APIs WhatsApp, por exemplo), ao solicitar um táxi via aplicativo, ao realizar uma compra online ou no simples ato de ler uma notícia em seu smartphone, as APIs estão sempre lá, permitindo que tudo isso aconteça.

O que é uma API?

APIs são como tomadas nas quais você conecta seu aparelho, usa o serviço e, na maioria das vezes, paga por isso. No caso das APIs, você pode conectar aplicativos e consumir os mais variados tipos de serviços digitais.

Em uma linguagem mais técnica, API (Application Programming Interface, na sigla em inglês) é um conjunto de componentes de software que permite a utilização de determinadas funcionalidades por outros aplicativos, necessitando apenas de programação e tornando desnecessários grandes processos de implementação. Ou seja, a API permite um processo de integração de maneira mais rápida e sem complicações.

APIs no mundo dos negócios

A relativa facilidade de integração que as APIs possuem faz com que muitas empresas – mesmo que não sejam de e-commerce - consigam digitalizar operações ou que pelo menos pensem em agregar novos serviços ou funcionalidades em seu ecossistema, ainda que eles não estejam diretamente ligados ao core business de cada uma.

Existem muitas variações de modelos de negócios para monetização de APIs, até mesmo nos casos em que a API é gratuita (ou pública), pois ela pode estar ligada a um modelo de valor indireto. Por exemplo: o dono de uma API pode não cobrar pela integração, mas pode pedir um cadastro do usuário. A partir disso, ele consegue criar um banco de dados que pode ser usado para diversos tipos de campanhas de marketing, venda de publicidade e etc. Redes sociais como o Facebook utilizam este modelo de forma bastante eficiente.

Já os sistemas que utilizam APIs privadas podem monetizar os acessos às suas ferramentas simplesmente cobrando algum valor por essa integração.

Quem tem negócios no mundo digital precisa pensar na API como uma ferramenta indispensável e com grande possibilidade de ser rentável, independentemente de ser gratuita ou não.

APIs e prevenção a fraudes

A ClearSale tem um modelo de API conhecido no mercado de TI como passiva, pois permite que os clientes façam a integração entre os sistemas, por meio de um manual de implementação que prioriza a transparência e a segurança da informação. Ou seja, nossos clientes conectam seus dispositivos e aplicativos em nossas ‘tomadas’.

A API de integração da ClearSale permite que os clientes enviem pedidos para análise de acordo com o tipo de produto contratado. Por meio da API, é possível enviar pedidos e consultar informações relevantes da análise da ClearSale.

Com isso, conseguimos fazer a gestão antifraude de nossos clientes com maior rapidez e assertividade.

APIs e o mundo conectado

É absolutamente visível que não há mais como dissociar o mundo físico do digital, pois eles estão completamente integrados. As APIs têm papel fundamental neste processo de transformação digital dos negócios, já que tornam possível esta conexão de forma rápida e segura.

Neste cenário, oportunidades de novos produtos e serviços surgem o tempo todo, e se posicionar bem neste mercado, estando sempre aberto a novas ideias e discussões, é a melhor forma de usar a tecnologia a seu favor.

Título

Escrito por

Jornalista responsável pela produção de conteúdo da ClearSale, é graduado pela Universidade São Judas Tadeu e pós-graduado em Comunicação Multimídia pela FAAP. Tem 10 anos de experiência em redação e edição de reportagens, tendo participado da cobertura dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo. Renovado após seis meses de estudo e vivência no Canadá, aplica agora seus conhecimentos às necessidades do mundo corporativo na era do Big Data.