10/01/2019 •
2 min. de leitura

Conheça 4 ameaças cibernéticas que afetarão o e-commerce em 2019

Mesmo com a evolução tecnológica, os varejistas descobrem que estão enfrentando as mesmas ameaças antigas de segurança – mas com maior frequência e prejuízos mais altos

 
 

Os comerciantes de e-commerce não podem contar apenas com as estratégias de 2018 para protegê-los neste ano. Escolhemos quatro das principais ameaças cibernéticas que se podem enfrentar no novo ano e oferecemos soluções para ajudar a proteger comerciantes e clientes.

1. Phishing

Uma forma de engenharia social e roubo de identidade , o phishing continua sendo uma das maneiras mais simples pelas quais os fraudadores enganam os indivíduos para revelarem informações pessoais. Os fraudadores costumam usar logotipos reais de empresas e links de aparência realista em suas comunicações para “enganar” os clientes desavisados, que acabam ​​fornecendo dados confidenciais. Embora sejam comuns, esses ataques ainda funcionam: 30% dos e-mails de phishing são abertos.

Mas os ataques de phishing podem fazer mais do que enganar os usuários desavisados ​​para revelar dados confidenciais. Esses ataques também podem instalar softwares mal-intencionados, infectar computadores com vírus ou até mesmo roubar informações pessoais dos computadores.

Os ataques de phishing aumentam de frequência ano a ano. O mais preocupante é que esses ataques começaram a afetar, também, organizações, o que significa que os comerciantes de comércio eletrônico devem estar preparados para se defender.

2. Ransomware

Quando um criminoso cibernético lança um ransomware, seu objetivo é infiltrar e comandar sistemas de tecnologia, inutilizando todos os arquivos no sistema afetado, até que a vítima pague um resgate aos hackers. Em casos extremos, os cibercriminosos podem até fechar as operações de uma empresa de comércio eletrônico e excluir arquivos críticos para os negócios, se o resgate não for pago.

O ransomware pode ser implementado de maneira barata por e-mail e pode oferecer um enorme retorno para os criminosos - uma empresa sul-coreana já chegou a pagar US$ 1 milhão em troca da descriptografia de seus arquivos.

Qualquer indivíduo ou empresa que esteja conectado à internet está em risco para esses ataques. Não importa o tamanho de uma empresa de comércio eletrônico ou da indústria que ela atende, os comerciantes online podem ser alvo de um ataque de ransomware incapacitante, por isso devem garantir que seus arquivos sejam armazenados em backup com segurança.

3. Violações de dados

As violações de dados afetam mais que os indivíduos. Elas também podem afetar os negócios de um comerciante de comércio eletrônico.

Existe um mercado pararelo – e criminoso – repleto de vendedores que oferecem produtos e serviços que facilitam a identificação de novas identidades, e cibercriminosos usam estas ferramentas para fraudar negócios.

E se você acha que sabe que seus clientes são legítimos, pense novamente: há um estudo nos EUA que mostra que entre 80% e 90% das pessoas que fazem login em sites de comércio eletrônico são, na verdade, hackers que usam dados roubados.

Em 2019, especialistas como a Experian acreditam que os cibercriminosos encontrarão novas maneiras de comprometer os dados pessoais, incluindo hacking biométrico e segmentação da comunidade de jogos on-line.

4. Autenticação de dois fatores

Embora a autenticação de dois fatores tenha sido apresentada como uma maneira segura de confirmar a identidade de um cliente e autenticar contas, ela não é tão infalível quanto se acreditava anteriormente. Os fraudadores estão cada vez mais encontrando maneiras de instalar malware em smartphones, os quais permitem a interceptação de mensagens e códigos SMS de autenticação.

Em 2018, o banco de dados desprotegido da empresa de comunicações Voxox, da Califórnia, resultou em dezenas de milhões de mensagens de texto, códigos de segurança, links de redefinição de senha, códigos de dois fatores e notificações de remessa disponíveis para os cibercriminosos.

Graças à crescente tendência dos consumidores de sincronizar vários dispositivos, o segundo fator de autenticação, baseado em telefone, pode não ser tão assertivo. Se um cibercriminoso pode invadir o computador de um usuário, ele também pode comprometer o smartphone vinculado e ignorar o mecanismo de segurança - permitindo que os cibercriminosos capturem dados pessoais seguros e fraudem empresas e consumidores.

Protegendo seu negócio com tecnologia

Tão velozes quanto a tecnologia, os hackers permanecem muito próximos, desenvolvendo e executando formas avançadas de fraude que desafiam até mesmo as equipes de segurança cibernética com maior conhecimento técnico. Isso significa que os comerciantes de comércio eletrônico devem monitorar constantemente as ameaças aos seus negócios e clientes.

Comerciantes inteligentes estão aproveitando a tecnologia para identificar e desarmar as ameaças cibernéticas antes que tenham a chance de causar danos reais à identidade dos consumidores e à reputação de seus negócios.

Na ClearSale, combinamos o melhor da Inteligência Artificial e com profissionais ultra especializados para oferecer aos nossos clientes o mais alto nível de proteção contra fraudes.

*Artigo escrito por Bruno Farinelli, gerente de Análise de Fraudes da ClearSale USA.

Título

Escrito por

Posts de convidados da Clearsale.