29/12/2020 •
2 min. de leitura

Natal tem R$ 441,5 milhões em fraudes evitadas no varejo online

Prejuízo evitado no comércio eletrônico foi cerca de 32% superior ao mesmo período em 2019. Confira outros números do levantamento!

 
 

Assim como se esperava, o Natal deste ano foi bastante proveitoso para o varejo online brasileiro. Segundo estudo da Neotrust/Compre&Confie, empresa de inteligência de mercado focada em e-commerce, o setor faturou R$ 21,8 bilhões entre os dias 15 de novembro e 24 de dezembro, registrando um aumento de 55% na comparação com o mesmo período de 2019.

O número de tentativas de fraudes, no entanto, também cresceu de maneira significativa. Foram R$ 441,5 milhões em fraudes evitadas no varejo online neste ano, contra R$ 335,3 milhões no ano passado - crescimento de 31,7%.

Categorias mais atacadas pelos fraudadores

As categorias que geraram maior número de fraudes evitadas neste ano foram Eletrônicos, Celular, Bebidas, Automotivo e Ar Condicionado. Em 2019, a lista era um pouco diferente: Bebidas, Celular, Eletrônicos, Alimentos e Automotivo.

Quantidade de pedidos e valor das compras

A quantidade de pedidos também cresceu no período que antecede as festas de fim de ano. Foram realizadas 47 milhões de compras no varejo online, indicando uma alta de 52% em relação ao ano anterior.

Outro ponto importante é que os brasileiros, além de terem realizado mais compras para as festividades deste ano, também investiram mais no valor dos pedidos. O tíquete médio, que em 2019 era de R$ 454, foi para R$ 464 em 2020, apontando um aumento de 2% no intervalo mapeado.

Como se proteger contra fraudes

“Para os consumidores, a melhor forma de evitar fraudes é ter atenção ao compartilhamento de informações na internet e preferir o uso cartão de crédito nas transações no ambiente virtual, o que possibilita a contestação de possíveis débitos realizados e que não são reconhecidos pelos titulares”, alerta Omar Jarouche, diretor de Soluções da ClearSale.

Em um momento em que muitas pequenas e médias empresas migram para o ambiente virtual, devido ao fechamento do comércio físico imposto pelo novo coronavírus, é importante que fiquem atentos também ao risco de fraudes nas operações.

Ao contrário do que se imagina, o prejuízo das compras fraudadas não fica com a emissora do cartão de crédito, mas sim com o varejista, o que pode impactar na gestão do negócio. “Por isso, é importante que a loja virtual conte com uma solução antifraude contratada, ou no caso de optar por trabalhar com marketplaces, questionar como funciona a análise e o chargeback dos pedidos”, orienta Jarouche.

Converse agora com os nossos especialistas em segurança:

Ao fornecer suas informações, você declara estar ciente de nossa Política de Privacidade e aceita que a ClearSale envie informativos, ofertas e outros materiais.

Escrito por

Jornalista responsável pela produção de conteúdo da ClearSale, é graduado pela Universidade São Judas Tadeu e pós-graduado em Comunicação Multimídia pela FAAP. Tem 10 anos de experiência em redação e edição de reportagens, tendo participado da cobertura dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo. Renovado após seis meses de estudo e vivência no Canadá, aplica agora seus conhecimentos às necessidades do mundo corporativo na era do Big Data.

Assine nossa newsletter

Ao fornecer suas informações, você declara estar ciente de nossa Política de Privacidade e aceita que a ClearSale envie informativos, ofertas e outros materiais.