30/06/2017 •
2 min. de leitura

5 dicas essenciais para não errar na escolha de um serviço antifraude

Empreender ou não empreender? Eis a questão. Quando se comenta com praticamente qualquer pessoa sobre abrir ou gerir um negócio, um dos primeiros olhares lançados envolvem preocupação e de apontamento a dificuldades.

 
 

É claro, não vamos mentir, é difícil sim empreender, porém não é impossível! Por isso, se você vai embarcar nessa, ou já está, e passa por um momento de revisão de processos, vamos lhe ajudar com algo que nem sempre é a priorizado nestes momentos: a gestão antifraude.
Pensando nisso, separamos cinco dicas essenciais, especialmente preparadas pelos nossos especialistas, para te ajudar a fechar este serviço da melhor maneira:

1- Sempre peça informações sobre índices de aprovação e CBK

Durante o processo de conhecimento do trabalho dos fornecedores que você elencar, sempre peça uma referência dos índices de aprovação e reprovação automática que eles atingem no seu segmento.
Diminuir taxas de chargeback pode parecer simples quando se olha apenas este indicador, porém atente-se a taxa de aprovação total. Lembre-se que a fraude é um evento raro, apesar de custoso, portanto baixas taxas de aprovação pode significar baixa eficiência da análise de prevenção à fraude.

2 – Como e com qual agilidade este fornecedor calibra a sua performance

Fraudadores investigam continuamente novas brechas para atuar, ou seja, conseguem criar rapidamente modelos de transação que parecem cada vez mais autênticos. Sendo assim, caso o serviço antifraude não tenha mecanismos para identificar antecipadamente novos comportamentos, o impacto financeiro em seu negócio ganha maior proporção.
Por isso é primordial consultar quais ferramentas ou procedimentos aquele serviço antifraude utiliza para descobrir que a análise que ele oferece não estão apresentando uma boa performance, com curta periodicidade. Como, por exemplo, ter pessoas que analisam manualmente uma amostra de pedidos que o modelo estatístico aprovou automaticamente. Isso, por exemplo, permitiria antecipar novos comportamentos de ataque.
Caso o fornecedor não tenha preocupações neste quesito, atente-se! Pois, o acumulo de tempo para descobrir ações fraudulentas se transforma em acumulo de perdas para você.

3 – Investigue qual é o nível de conhecimento do fornecedor sobre o seu segmento

Nunca é demais pesquisar ou pedir a relação de clientes que os fornecedores que estiver analisando tem no mesmo segmento que o seu. Isto já lhe dará uma boa noção da base de dados que ele oferece, de Marketshare e também se você será um caso experimental ou não.
Principalmente empresas que atuam com vendas de produtos de alto risco, como games, celulares e eletrônicos em geral, devem se preocupar muito com o know how que aquele fornecedor detém, pois poucos erros já podem lhe custar muito caro. E mesmo se o seu negócio não for de tamanho expressivo ou atue com estes segmentos, cuidado! As vezes uma pequena diferença na hora de fechar o contrato pode refletir em grandes perdas futuramente, a conta jamais deve ser feita apenas sobre o valor mensal pago ao fornecedor.

4 – Socorro, cálculos!

Ao pedir todos os números necessários (que basicamente devem ser os indicadores de perda e reprovação previstos e o custo total da ferramenta) ao fornecedor não saia correndo! Analisar números é muito importante e você não precisa fazer isso sozinho.

Sempre pergunte ao antifraude se ele tem algum simulador de resultados ou pode juntar aqueles números e fazer as contas junto com você. Enxergar todos os pontos que podem lhe dar lucro ou prejuízo, e o resultado desta equação com qualidade, com certeza lhe darão a clareza necessária para visualizar seus possíveis ganhos e perdas não só na hora do acordo, mas sim ao decorrer da relação.

5 – E o pós-venda, como fica?

Se tem um ponto que geralmente é um dos últimos a serem lembrados quando se fecha um serviço antifraude é o pós-vendas. Saber como será o relacionamento com quem se contrata é essencial, pois se houver qualquer tipo de problema com sistema, serviços prometidos x serviços oferecidos, dúvidas sobre pagamentos, performance de score, qualquer coisa, quem vai te ajudar?
Analise o máximo de pontos possíveis que possam gerar um contato com o SAC ou seu gerente de relacionamento, como: quais são os horários de atendimento, eu terei suporte a X ou Y tipo de problema, terei um gerente de relacionamento, caso não tenha: quais serão os canais de atendimento, receberei visitas periódicas para reavaliação de resultados, entre outras. Sane todas as dúvidas possíveis, pois tempo é dinheiro e resoluções ágeis e de qualidade são essenciais. 

Converse agora com os nossos especialistas antifraude:

Escrito por

Posts de convidados da Clearsale.