9/06/2022 •
2 min. de leitura

Fraudes com CPF: conheça os principais tipos e como evitá-los

O número de fraudes no CPF e outros golpes ligados ao vazamento de dados cresce exponencialmente a cada dia. Veja o que fazer para evitar essa dor de cabeça!

 
 

A Internet e todos os recursos tecnológicos provenientes dela garantem muita praticidade para o nosso dia a dia — especialmente no mundo moderno, onde ninguém tem muito tempo a perder. Todos esses benefícios, no entanto, podem gerar problemas.

O número de fraudes no CPF e outros golpes ligados ao vazamento de dados cresce exponencialmente a cada dia. Por esse motivo, os consumidores vêm buscando, cada vez mais, empresas que ofereçam segurança para suas informações. 

Esse cenário vem levando os e-commerces a se adaptarem, principalmente depois da publicação da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Quer saber como evitar fraudes com CPF? Continue lendo este post e entenda mais sobre esse assunto tão atual.

O que é fraude no CPF?

É muito provável que você já tenha fornecido seu CPF em cadastros de sites, aplicativos e outras plataformas sem sequer se perguntar o que seria feito com esses dados ou se eles estariam seguros.

Embora muita gente não se preocupe com isso, o mau uso dessas informações em fraudes e outros esquemas vêm gerando muitas questões. Não é à toa que, recentemente, foi publicada a Lei nº 13.709/2018, também conhecida como Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Essa lei tem o objetivo de compelir as empresas a garantirem a proteção das informações fornecidas pelos titulares.

Ainda assim, as fraudes com CPF vão ficando cada vez mais elaboradas. Os criminosos virtuais usam verdadeiras armadilhas para cometer atos ilícitos — como realizar compras falsas, contratar empréstimos e solicitar cartões em nome de terceiros.

Qual é a importância de adotar medidas de proteção?

Apesar de os golpes — sobretudo em meio online — serem cada vez mais sofisticados, há muitas maneiras de tornar a sua empresa segura. Além de ser uma regra prevista na LGPD, investir em tecnologia antifraude para proteger os dados dos usuários aumenta a confiança do cliente e, consequentemente, a credibilidade do negócio no mercado.

Além disso, com a nova legislação, caso fique provado que a fraude esteja relacionada à falta de segurança, má-fé ou negligência por parte de quem coletou as informações, as penalidades podem variar desde advertências a multas de até 2% do faturamento, que podem chegar ao limite de R$ 50 milhões.

Adotar medidas de proteção é uma necessidade, e será imprescindível para evitar graves prejuízos.

Quais são os tipos de fraudes com CPF?

Embora o CPF seja um dos documentos mais importantes, ele acaba sendo exposto com muita facilidade. Assim, os criminosos não têm dificuldade em coletar essas informações para obter outros dados e cometer atos ilícitos.

Vale observar que existem muitos tipos de fraudes no CPF, mas alguns são mais comuns e podem gerar graves prejuízos financeiros. Entenda melhor alguns casos a seguir!

Contratação de empréstimos

De posse do CPF e outros documentos do titular, é possível contratar empréstimos em nome de uma pessoa sem que ela sequer tenha conhecimento do assunto — basta que o CPF esteja relacionado a um score positivo. 

Se a financeira não estiver protegida por bons sistemas antifraude, o criminoso consegue contratar empréstimos e nunca pagar. Nesses casos, a vítima só fica sabendo quando a empresa começa a realizar a cobrança. Às vezes, passa tanto tempo entre a contratação do empréstimo e a cobrança que se torna impossível identificar de onde veio a fraude.

Solicitação de cartão de crédito

Outra fraude no CPF bem comum é a contratação de um cartão de crédito. Como as grandes instituições bancárias oferecem meios para que os clientes acompanhem suas compras e evitem desvios de seus recursos, os criminosos têm optado por usar o CPF para pedir um cartão novo. Assim, mais uma vez, o cliente só vai saber o que aconteceu muito tempo depois que o dano foi causado.

Prestação de serviços

Nesses casos o falsário ingressa em empresas que trabalham com grande volume de dados, como o telemarketing. Dessa forma, consegue contratar serviços em nome de terceiros e usar os dados para cometer outros crimes.

Como se proteger?

No caso dos clientes, a melhor maneira de se proteger é prestar atenção se a plataforma é segura antes de fornecer os dados pessoais. A Lei Geral de Proteção de Dados garante que o titular tenha acesso a tudo o que é realizado com suas informações.

Dessa forma, basta fazer um requerimento para a empresa e ela terá a obrigação de informar, em um prazo razoável, todo o tratamento dado às informações e quais são os mecanismos usados para a proteção delas.

Outra dica é prestar atenção se o site tem certificações e mecanismos antifraude que aumentem a proteção desses dados.

No caso das empresas, além de investir em um programa de adequação às novas normas, usar softwares que ofereçam soluções nesse sentido é uma necessidade. Isso reduz as chances de invasões, roubo de informações e outros tipos de fraude de identidade.

Como o DTI ajuda a proteger as empresas?

Combater as fraudes no CPF na hora de pedir empréstimos e solicitar linhas de crédito vai muito além de evitar que os clientes tenham prejuízos. Ao realizar a análise mais profunda, a empresa consegue entender melhor as necessidades do ciente e perceber se ele é um bom cliente, ainda que não tenha um score excelente no momento.

Além de reduzir a inadimplência, isso também diminui as margens para eventuais golpes, já que o sistema não considera apenas o CPF.

O Digital Trust Index (DTI) é uma ferramenta inovadora e muito completa para a realização de confiabilidade do crédito, que vai muito além do tradicional score. A avaliação considera o comportamento de compra, as informações cadastrais, o potencial de consumo, a presença digital e a jornada de aquisições.

Assim, é analisado todo o comportamento de consumo do cliente, considerando, além de seus dados, toda a jornada de compra — o que otimiza a operação do crédito e minimiza o risco de fraudes.

A Internet é um grande universo com infinitas possibilidades, mas assim como pode ser usada para criar facilidades, também abre margem para todo tipo de golpes e fraudes.

Tanto empresas quanto usuários precisam se prevenir para garantir a proteção de suas informações. Além disso, hoje em dia, essa necessidade vai além de ter mais credibilidade no mercado: trata-se de uma obrigação legal, proveniente da LGPD.

Gostou das dicas? Então, não perca mais tempo e venha conhecer o DTI para garantir a segurança do seu negócio!

Título

Ao fornecer suas informações, você declara estar ciente de nossa Política de Privacidade e aceita que a ClearSale envie informativos, ofertas e outros materiais.

Escrito por

Jornalista responsável pela produção de conteúdo da ClearSale, é graduado pela Universidade São Judas Tadeu e pós-graduado em Comunicação Multimídia pela FAAP. Tem 10 anos de experiência em redação e edição de reportagens, tendo participado da cobertura dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo. Renovado após seis meses de estudo e vivência no Canadá, aplica agora seus conhecimentos às necessidades do mundo corporativo na era do Big Data.

Assine nossa newsletter

Ao fornecer suas informações, você declara estar ciente de nossa Política de Privacidade e aceita que a ClearSale envie informativos, ofertas e outros materiais.