26/06/2019 •
2 min. de leitura

Como a tecnologia impacta positivamente as vendas diretas

 

Recursos tecnológicos têm ajudado a revitalizar o setor no Brasil, que já desponta como um dos cinco maiores do mundo

 

 

Resumo do post

- Como os recursos tecnológicos atuais ajudam o setor de vendas diretas

- Cenário do segmento no Brasil

*Artigo escrito pela equipe da ABEVD (Associaçao Brasileira de Empresas de Vendas Diretas)

**Colaboração de Felipe Tchilian, jornalista responsável da ClearSale

Contrariando algumas questões em relação à tecnologia nas vendas diretas, o setor mostra novamente sua capacidade de adaptação ao apresentar-se nos meios digitais como mais uma opção para os consumidores.

As empresas passaram a perceber que o cliente busca o produto em qualquer meio, e, por isso, se adaptaram para estar em todos os locais. Vale lembrar que já há exemplos de companhias que nasceram no meio digital e atualmente adotaram o modelo de venda direta.

Grandes marcas têm aderido a este movimento, sem temer o avanço da tecnologia, pois o setor tem como diferencial o empreendedor independente. Cabe a ele apresentar os benefícios e as qualidades do produto, além de recomendar soluções para os consumidores, ou seja, mais do que uma simples venda, o revendedor presta uma espécie de consultoria.

Neste contexto, surgiram no mercado empresas especializadas em oferecer serviços específicos para as companhias interessadas em aderir ao setor de vendas diretas.

Vendas diretas no Brasil

Segundo Moacir Salzstein, vice-presidente da ABEVD, uma pesquisa da Euromonitor International, em 2018, mostra que o varejo global cresceu 4,30% enquanto as vendas diretas subiram 4%.

No Brasil, o volume de negócios é de aproximadamente R$ 45,2 bilhões por ano, com a geração de renda para 4,1 milhões de revendedores independentes.

Os números brasileiros mostram que o setor tem um grande potencial de crescimento e que há espaços para que a atividade siga se fortalecendo como uma alternativa de renda para milhões de pessoas.

Vale ressaltar que os produtos mais vendidos são da categoria bem-estar, com 33,2%, superando os cosméticos, que representam 31,2% das vendas.

Estes dados comprovam a ideia de que o mercado brasileiro ainda tem muito a oferecer às companhias de vendas diretas. Algumas categorias ainda têm grandes condições de crescerem nos próximos anos.

Fraudes em vendas diretas

O crescimento do setor de vendas diretas faz com que cresça, também, o número de tentativas de fraude voltadas a este segmento. Em vendas diretas, a fraude pode acontecer, basicamente, no momento da inscrição de um novo consultor sem a ciência do mesmo, no cadastro sem intenção de pagamento e no uso de dados de conhecidos ou familiares. As motivações dos fraudadores são variadas. Vão desde obter benefícios em programas de reconhecimento interno, passam por acesso a kits iniciais com produtos para uso ou revenda, e vão até a aquisição de produtos para comercialização ilegal.

No ato da transação, a fraude pode acontecer, basicamente, em três diferentes vertentes, que vão desde a efetivação de um pedido sem conhecimento do dono dos dados, passam pela geração de um pedido sem a intenção de pagamento, e vão até a solicitação de entrega no próprio endereço do fraudador.

Portanto, contar com um serviço antifraude especializado é fundamental. Somente assim, todas as partes envolvidas no ecossistema das vendas diretas estarão devidamente protegidas.

Conteúdo relacionado:

Mercado de venda direta é opção ao desemprego no Brasil

Inovar é questão de vida ou morte nos negócios hoje em dia

Título

Escrito por

Posts de convidados da Clearsale.