25/03/2020 •
2 min. de leitura

Fraudes podem levar e-commerces à falência. Veja como se proteger!

 

Fazer bom uso das ferramentais antifraude atualmente disponíveis pode ser a chave para garantir o desenvolvimento saudável do negócio

 

 
 

O cenário atual do e-commerce brasileiro é uma fonte de oportunidades para varejistas, empreendedores e investidores, que concentram cada vez mais esforços e recursos em lojas virtuais. O problema, no entanto, é que fraudadores também enxergam muitas possibilidades neste cenário de crescimento, tornando inimaginável a existência saudável de um e-commerce que não conte com um sistema antifraude eficiente.

Mapa da Fraude traz todos os dados das fraudes no e-commerce

Mas, apesar da fraude ser um dos principais motivos de fechamento de e-commerces no Brasil ainda nos 18 primeiros meses de existência, a boa notícia é que há como se proteger, e o mercado se movimenta constantemente para desenvolver sistemas antifraude que diminuem as brechas tão buscadas pelos criminosos, transformando essa luta em uma corrida na qual é preciso estar sempre em primeiro lugar.

Cenário atual da fraude no Brasil

Para se ter uma ideia, somente em 2019, o comércio eletrônico do país deixou de perder R$ 1,9 bilhão com prejuízos causados por fraudes, em um crescimento de 36% em relação a 2018, segundo a mais nova edição do Mapa da Fraude da ClearSale. O documento é um levantamento completo, realizado anualmente pela companhia, com a análise de janeiro a dezembro sobre as tentativas de fraudes.

O estudo mostra que, no varejo eletrônico brasileiro atual, a cada R$ 100 reais em compras realizadas, R$ 3,47, em média, são tentativas de fraudes. “O valor da compra é uma variável importante para determinar o risco da transação, uma vez que os pedidos fraudulentos costumam ter um valor maior que a média do e-commerce. Em 2019, o ticket médio dos pedidos suspeitos foi de cerca de R$ 1 mil”, explica Omar Jarouche, diretor de Soluções da Clearsale.

“A maioria dos fraudadores busca produtos e serviços mais caros e até mesmo de luxo, pois não irão pagar por isso e conseguem um retorno melhor na hora de revender o produto”, analisa Jarouche.

O que fazer quando a fraude acontece

Zerar a quantidade de prejuízos por fraudes é praticamente impossível, e isso não é, necessariamente, uma tragédia. Infelizmente, nenhum fornecedor de soluções antifraude para e-commerce pode garantir zero fraude em uma loja, mas pode, sim, ajudar o varejo a lidar com o problema de maneira racional e analítica, até mesmo para saber como proceder quando ele acontecer.

Um ponto muito importe é repassar todas as informações úteis ao seu parceiro de gestão de risco. Um chargeback (nome dado ao estorno pedido pelo cliente), por exemplo, geralmente é a prova de uma fraude, e todas as informações contidas nele são de fundamental importância para que um sistema antifraude possa se retroalimentar e impedir novos crimes com este mesmo padrão.

Analisar padrões de ataque, aliás, também é primordial. As informações sobre fraudes que já aconteceram possibilitam que a solução antifraude consiga criar um efeito de rede que protege o ecossistema que envolve as transações.

Para que o trabalho contra fraudes seja eficiente, os sistemas utilizados devem ser capazes de conhecer o comportamento dos consumidores no universo digital como um todo, e não apenas na loja virtual onde a compra está acontecendo.

Como evitar a fraude

Para evitar altos índices de fraude, é preciso, antes de qualquer coisa, ir a fundo nesta questão, para entender exatamente o que causa este tipo de prejuízo em sua loja – e pode ser diferente do que acontece em seu concorrente, por exemplo.

A partir disso, é fundamental procurar soluções de parceiros que tenham a expertise suficiente para entender o contexto de cada situação, e para conseguir mapear a ação de fraudadores nos mais minuciosos detalhes, já que a fraude é dinâmica e exige equilíbrio entre inovação – como no uso de ferramentas de AI e Machine Learning, por exemplo – e experiência para combatê-la.

Todo varejista quer o sucesso do negócio, e, para isso, é preciso ter bastante foco no trabalho. Se a fraude não está controlada, não há como concentrar esforços no core business da empresa. Para poder focar apenas no crescimento do negócio, contar com um parceiro especializado na proteção antifraude e na preservação de clientes legítimos é primordial.

Ao contrário do que pode vir imediatamente à mente, ter este tipo de parceiro não é caro. Pelo contrário: isso significa menos reprovações, menos chargeback, menor tempo de resposta e, consequentemente, mais vendas legítimas.

Consumidor também deve se proteger

Jarouche afirma que o consumidor deve evitar a compra em sites suspeitos, e sempre que possível, realizar suas transações online via cartão de crédito. “Ao contrário do que muitos acreditam, a compra pelo cartão de crédito é mais segura do que via boleto ou transferência bancária. Caso uma fraude ocorra, o consumidor que realiza a compra via cartão consegue contestar a cobrança junto ao seu banco. Já as compras via boleto não são reembolsáveis. Uma vez que o dinheiro é depositado, o estorno torna-se mais complicado” finaliza.

Além disso, ações simples, como a adotar senhas fortes, pesquisar histórico e reputação das lojas e suspeitar de descontos muito acima dos praticados pelo mercado costumam ajudar muito além do que se imagina.

Antifraude eficiente resolve

A fraude é uma parte indesejada da administração de um negócio, mas não é uma parte com a qual o varejista tenha que conviver. Para ser bem sucedido, o fraudador precisa estar longe dos olhos da solução antifraude. Se o criminoso não puder fazer isso, ele vai migrar para alguma empresa que esteja mais vulnerável.

Os fraudadores são criativos e, para evitar ataques, a proteção antifraude também deve ser. Criminosos gostam do caminho que oferece menor resistência, e um bom sistema antifraude é a maior barreira que pode existir neste sentido.

Manter sistemas antifraude atualizados e contar com uma equipe ativa, além de uma abordagem minuciosa e multicamadas, são boas práticas que provavelmente manterão o varejo protegido e os consumidores sempre satisfeitos.

Conteúdo relacionado:

Veja 5 dicas para vender mais e gastar menos em seu e-commerce

Você conhece os indicadores corretos para seu e-commerce?

ClearSale evita R$ 1,9 bilhão em prejuízos com fraudes em 2019

ClearSale adquire Send4 e amplia atuação no combate a fraudes

Converse agora com os nossos especialistas em segurança:

Ao fornecer suas informações, você declara estar ciente de nossa Política de Privacidade e aceita que a ClearSale envie informativos, ofertas e outros materiais.

Escrito por

Jornalista responsável pela produção de conteúdo da ClearSale, é graduado pela Universidade São Judas Tadeu e pós-graduado em Comunicação Multimídia pela FAAP. Tem 10 anos de experiência em redação e edição de reportagens, tendo participado da cobertura dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo. Renovado após seis meses de estudo e vivência no Canadá, aplica agora seus conhecimentos às necessidades do mundo corporativo na era do Big Data.

Assine nossa newsletter

Ao fornecer suas informações, você declara estar ciente de nossa Política de Privacidade e aceita que a ClearSale envie informativos, ofertas e outros materiais.