30/08/2019 •
2 min. de leitura

Instituições financeiras têm evolução com o uso de soluções antifraude

Conheça o caso de três grandes bancos que melhoraram indicadores em pouco tempo de trabalho conjunto com um parceiro especializado

 
 

Resumo do post:

- Soluções antifraude ajudam bancos a melhorar indicadores

- Números reais de grandes organizações

- Cenário, trabalho efetuado e resultados obtidos

- Trabalho de melhoria contínua da ClearSale

Garantir o melhor ROI e gerar confiança no mercado são pilares dos quais a ClearSale não abre mão em seu trabalho. E a certeza que de o caminho certo tem sido trilhado vem com base nos números, como é o caso de três grandes bancos que atualmente contam com soluções da ClearSale nas mais diversas frentes, como emissão de cartões digitais, concessão de crédito e aberturas de contas digitais.

Banco A

Uma das maiores instituições financeiras do Brasil é cliente ClearSale desde quando precisou investir esforços em frentes digitais de atuação, e procurou a empresa para cercar este processo de segurança e gerar a melhor experiência de onboarding aos clientes.

Cenário

O principal problema do banco naquele momento era distinguir o que era fraude do que era inadimplência. Embora sejam fenômenos bem diferentes, é comum que bancos demorem e tenham dificuldades para conseguir essa separação, o que demanda tempo – muitos casos levam até seis meses – e dinheiro.

Com isso, o primeiro passo da ClearSale foi mostrar essa diferença e explicar como o trabalho da empresa poderia ajudar em ambos os casos, lembrando que, no mercado financeiro, a inadimplência é mais comum que a fraude, embora o prejuízo seja tão devastador quanto.

Ação

Feito isso, a primeira frente deste trabalho conjunto foi a de emissão de cartões digitais, que começou com uma taxa de exposição a fraudes próxima de 12% (cálculo que considera transações suspeitas e fraudes efetivas), uma pequena taxa de aprovação automática e um volume mensal na faixa que vai de 500 mil até 800 mil propostas.

O diagnóstico imediato foi de que era preciso aumentar a aprovação automática, ou seja, identificar em tempo real que a proposta tende a ser legítima, sem abrir mão da segurança. Isso faria com que o processo fosse mais rápido e demandasse menos análises manuais e recursos humanos, o que geraria economia e escalabilidade.

Tecnologia

Para fazer isso, somente a riqueza de dados de um data lake robusto, somado a tecnologia de ponta e mão de obra ultra especializada, seria capaz de tornar o processo de emissão dos produtos mais dinâmico, com ferramentas que pudessem auxiliar a validação quase que automática dos dados cadastrais e, ao mesmo tempo, ajudasse com informações para auxiliar na decisão sobre para atribuição do valor de crédito.

Ao personalizar características de diferentes soluções, a ClearSale conseguiu encontrar uma linha de atuação cirúrgica e suficiente para eliminar a necessidade de se consultar dados individualmente, deixando colaboradores do cliente com mais tempo disponível para outros tipos de demanda, tornando o investimento mais eficiente e com maior ROI.

Resultados

Em pouco tempo, o trabalho conjunto que foi construído entre as empresas fez com que os indicadores apresentassem melhora significativa. O volume de transações subiu quase 15%, e o índice de exposição a fraudes caiu para menos da metade, ficando estável em aproximadamente 5%.

Para se ter uma ideia da grandeza do trabalho, entre dezembro de 2018 e fevereiro de 2019 foram mais R$ 195 milhões em fraudes evitadas neste trabalho, além de uma taxa de inadimplência considerada cada vez mais sob controle.

Os resultados significativos fizeram com que novas frentes de trabalho se tornassem possíveis. Hoje, este mesmo banco conta com a expertise da ClearSale nos mais diversos produtos e com volumetrias altamente significativas.

A atuação em diversas frentes ajuda a ClearSale a aprimorar uma visão completa e abrangente sobre o contexto da fraude e o comportamento digital dos consumidores, fazendo com que o trabalho de inovação contínua seja incessante e com que a empresa seja considerada, segundo as lideranças do banco, a espinha dorsal do combate a fraudes dentro da instituição atualmente.

Banco B

O caso deste outro grande banco brasileiro é relativamente recente dentro da ClearSale, já que a parceria teve início no último mês de janeiro, na frente de emissão de cartões digitais.

Em um cenário inicial de 18 mil propostas mensais, com tentativas de fraude próximas a 12,6%, o foco do trabalho da ClearSale era, antes de qualquer coisa, evitar a concretização da maior parte das tentativas de fraude, o que foi feito com resultados satisfatórios ainda no primeiro mês de atuação: 93% das tentativas de fraude foram prontamente evitadas.

No mês seguinte, as tentativas de fraude já estavam consideravelmente reduzidas, saindo de 12,6% para 8,9%, com um volume de pedidos que crescia exponencialmente e chegava, naquele período, a 45 mil propostas. A porcentagem de fraudes evitadas já batia os impressionantes 95%.

Passados quatro meses do início da parceria, o volume mensal de propostas estava em 74 mil – um aumento de cerca de 400% na comparação com o primeiro mês – com tentativas de fraude reduzidas pela metade, ficando em 6,6%.

Tal melhora de indicadores fez com que esta grande instituição pudesse concentrar esforços em atração de clientes e escalabilidade, deixando a segurança do processo e a preservação dos bons consumidores nas mãos de um especialista do tamanho da ClearSale. Atualmente, o banco estuda a possibilidade de contar com a ClearSale em novas frentes de atuação.

Banco C

Este caso é de um grande banco brasileiro de financiamentos, o qual teve sua curva de aprovação automática de propostas melhorada após um estudo detalhado feito dentro da ClearSale.

Esta alteração, no entanto, não foi simples. A curva de aprovação automática do banco era definida por um corte de score único, que precisou ter sua lógica redefinida após a análise cuidadosa da ClearSale, que passou a utilizar o limite de crédito como valor e passou a utilizar o um cálculo baseado no conceito de perda esperada, que é comum no e-commerce, mas até então não era utilizado em instituições financeiras.

No período deste estudo, que compreende todo o intervalo entre fevereiro e junho, a porcentagem de aprovações automáticas era de 54%, com o corte de score de 0.47 e taxa de exposição em 1.94%.

Após a análise de distribuição de valor e score, a ClearSale conseguiu, em pouquíssimo tempo, reduzir em 17% a perda em valor de aprovações automáticas, sem que para isso fosse necessário prejudicar qualquer um dos outros indicadores, considerados satisfatórios pelo banco.

Apesar disso, o bom trabalho conjunto realizado fez com que a taxa de exposição ainda tivesse uma redução para 1,61% na nova curva, trazendo um ganho relevante para o banco e muito orgulho para a ClearSale.

Melhoria contínua na ClearSale

A ClearSale trabalha todos os dias no desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias e serviços que mapeiam a ação de fraudadores nos mais minuciosos detalhes, não apenas no e-commerce, mas também no mercado financeiro, em emissores de cartões de crédito, em seguradoras, em companhias aéreas, no ramo de telecomunicações e em empresas de venda direta, no Brasil e no exterior.

Uma empresa que investe maciçamente em inovação e tecnologia, o que permite aprovar, por exemplo, mais de 93% das compras de e-commerce, número substancialmente superior ao de países do primeiro mundo, com índices de fraude muito menores que o Brasil.

Atualmente, aproximadamente 7% da receita da ClearSale é destinada a processos de inovação, o que garante a evolução da tecnologia para o trabalho em novas frentes.

Conteúdo relacionado:

Concessão de crédito mais segura ajuda bancos e protege clientes

Emissão de cartões online muda fraude no segmento e exige atenção de bancos

Fraudes em aberturas de contas preocupam bancos e fintechs no Brasil

Fraudes causam prejuízos milionários a bancos e outras instituições financeiras

Título

Escrito por

Jornalista responsável pela produção de conteúdo da ClearSale, é graduado pela Universidade São Judas Tadeu e pós-graduado em Comunicação Multimídia pela FAAP. Tem 10 anos de experiência em redação e edição de reportagens, tendo participado da cobertura dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo. Renovado após seis meses de estudo e vivência no Canadá, aplica agora seus conhecimentos às necessidades do mundo corporativo na era do Big Data.