20/04/2020 •
4 min. de leitura

Vendas online: saiba como vender melhor e com segurança

Veja como oferecer produtos e serviços pela internet com muita segurança e ótimos resultados

 

É absolutamente indiscutível que, principalmente na última década, o mercado de vendas online se tornou extremamente atrativo para varejistas do mundo físico, empreendedores e investidores, que concentram cada vez mais esforços e recursos em lojas virtuais. E os principais motivos são claros: menor custo de operação, maior agilidade para fazer o negócio ‘rodar’, gestão mais moderna e automatizada e, obviamente, possibilidade de lucrar e escalar a loja de maneira relativamente rápida.

O problema, no entanto, é que os números atraentes do e-commerce também chamam a atenção de fraudadores, criminosos que estão sempre atentos às brechas em sistemas de segurança e prontos para causar os mais diversos prejuízos, tanto para empresas quanto para consumidores.

Neste cenário, antes de abrir um e-commerce, conhecer o mercado de vendas online é fundamental para quem pensa em obter sucesso e escalar o negócio com segurança.

Dados das vendas online no Brasil       

Em um mercado que já registra quase um milhão de lojas online, a concorrência, claro, também se torna cada vez mais robusta. Entretanto, os números mostram ano a ano que há espaço para a maioria dos e-commerces trabalharem com resultados bastante satisfatórios.

O tempo médio de vida de um e-commerce no Brasil, por exemplo, já passou de 90 dias em 2015 para cerca de um ano e quatro meses, atualmente.

Segundo o relatório Neotrus, apesar da instabilidade econômica atual, o e-commerce brasileiro cresceu 22,7% em 2019, faturando R$ 75,1 bilhões. O estudo analisa o varejo digital trimestralmente com base em dados coletados pelo Compre&Confie, empresa da ClearSale de inteligência de mercado focada em e-commerce, em parceria como E-Commerce Brasil.

Ainda de acordo com o estudo, a alta significativa se dá pelo aumento no volume de pedidos realizados: em 2019, foram feitas 178,5 milhões de compras, valor que representa aumento de 22,5% em relação ao ano anterior.

Destaques das vendas online

Vender produtos e serviços pela internet pode trazer facilidades importantes em relação ao varejo físico tradicional, mas não quer dizer que suas especificidades não tenham desafios que precisam ser superados para o sucesso do negócio.

Um destes desafios, certamente, é saber o fit do segmento da loja em relação ao e-commerce. Ou seja, saber o quanto aquele produto ou serviço combina com as necessidade do público que consome via ambientes digitais.

Pensando nesta dúvida, separamos algumas categorias de produtos e alguns segmentos que têm tido sucesso nas vendas online, tanto em toda a história do setor quanto nos últimos anos. Vale lembrar que estas categorias podem, de acordo com a época do ano, variar bastante, e que esta lista não é um ranking, mas sim um indicativo de quais categorias figuram sempre entre as que têm melhores resultados. Confira abaixo:

Telefonia e smartphones

Smartphones são itens muito procurados pelo público em geral, e têm representado o maior faturamento do varejo online brasileiro nos últimos anos. Como a tecnologia não para de evoluir, clientes costumam trocar constantemente seus aparelhos por modelos mais modernos, o que impulsiona as vendes.

É claro que este é um segmento dominado por gigantes, mas não quer dizer que lojas menores não tenham espaço, inclusive quando se pensa na comercialização de itens relacionados, como tablets, capinhas, películar, cabos, carregadores, suportes, fones de ouvido, etc.

Além disso, muitas lojas têm tido ótimos resultados comprando e vendendo smartphones seminovos ou usados, o que também pode ser uma saída para quem está começando.

Eletrodomésticos e eletrônicos

Eletrodomésticos e eletrônicos também figuram com frequência nas listas de produtos mais vendidos do e-commerce brasileiro. Como o tíquete médio desta categoria costuma ser alto, muitos varejistas a enxergam como uma real oportunidade de faturamento, ainda que não se realize vendas em quantidades absurdas.

Isso acontece porque, ao longo dos anos, os consumidores perceberam que as lojas virtuais deste segmento apresentavam, via de regra, preços melhores que os das lojas físicas, o que fez disparar os resultados a cada ano. Além disso, questões como tocar no produto antes de comprá-lo passaram a não ser mais critérios determinantes na decisão de compra.

E, embora esta categoria também seja dominada por empresas gigantes do varejo, principalmente por trazer consigo custos importantes de estoque e logística, também há uma boa demanda por produtos usados e equipamentos de nicho, como no caso de um estúdio fotográfico, por exemplo.

Moda e vestuário

Este talvez seja o segmento mais indicado para quem pretende iniciar operações de maneira um pouco mais modesta. Moda e vestuário sempre estão entre os que mais registram pedidos durante o ano, com imensa procura por diversos públicos.

É um mercado que já está bem estruturado, mesmo que tenha crescido muito rapidamente na última década. Grandes empresas, dispostas a investir muito dinheiro, entraram no ramo e fizeram com que o consumidor se habituasse a comprar roupas pela internet, sem o processo tradicional de frequentar provadores, tocar no produto, etc. Tal fato fez toda a diferença para o setor.

E, como o Brasil é um país multicultural e com espaço para diferentes estilos, ainda há aqui muita oportunidade até para quem ainda pensa em começar no ramo. O próprio mercado de moda masculina ainda é relativamente inexplorado e pode ser um nicho interessante.

Beleza e saúde

Este é um dos segmentos que têm crescimento mais constante no e-commerce do Brasil. Se pensarmos que muitos hábitos de consumos devem ser diferentes após a pandemia do novo coronavírus, o segmento de saúde deve impulsionar ainda mais esta categoria nos próximos tempos.

Falando mais precisamente de beleza, além das mulheres, público grande e que predomina nas compras deste ramo, os homens, cada vez mais atentos aos cuidados pessoais, também têm se tornado um nicho certeiro, o que traz ainda mais possibilidades para lojas virtuais e vendas online.

Mercado pet

O crescimento do mercado pet no e-commerce tem sido impressionante nos últimos anos. Pessoas têm investido cada vez mais na qualidade de vida de seus animais de estimação, não pensando mais apenas em itens básicos de sobrevivência, como água e ração. Agora, o custo não tem tanta importância, já que o animal é uma parte muito amada da família.

Ao longo dos anos, os pet shops se acostumaram a trabalhar apenas em lojas físicas tradicionais, esquecendo que a loja virtual pode ser, além de um ponto lucrativo de vendas, uma maneira muito interessante de tornar o estabelecimento mais conhecido.

Além de vender itens mais comuns, como coleiras, brinquedos, escovas, shampoos, almofadinhas, cobertores, etc, é interessante buscar parcerias com clínicas vetenirárias, ONGs e outras instituições, pois elas podem ser bons parceiros na hora de recomendar produtos e serviços

Cuidado com as fraudes

Como dito anteriormente neste artigo, os números atraentes do crescimento das vendas online a cada ano também chamam a atenção de fraudadores e criminosos, os quais desenvolvem meios cada vez mais sofisticados e organizados para cometer fraudes, tornando o trabalho de gestão de risco e combate a fraudes essencial para a saúde do negócio.

Para se ter uma ideia, somente em 2019, o comércio eletrônico do país deixou de perder R$ 1,9 bilhão com prejuízos causados por fraudes, em um crescimento de 36% em relação a 2018, segundo a mais nova edição do Mapa da Fraude da ClearSale. O documento é um levantamento completo, realizado anualmente pela companhia, com a análise de janeiro a dezembro sobre as tentativas de fraudes.

O estudo mostra que, no varejo eletrônico brasileiro atual, a cada R$ 100 reais em compras realizadas, R$ 3,47, em média, são tentativas de fraudes. “O valor da compra é uma variável importante para determinar o risco da transação, uma vez que os pedidos fraudulentos costumam ter um valor maior que a média do e-commerce. Em 2019, o ticket médio dos pedidos suspeitos foi de cerca de R$ 1 mil”, explica Omar Jarouche, diretor de Soluções da Clearsale.

Conheça o Total ClearSale, solução ideal para vender com segurança

Você sabe o que é a fraude de identidade? Veja como evitá-la

A fraude é um problema muito sério e há muito em jogo. Muitos varejistas online optam por fazer o trabalho antifraude e de gestão de riscos por conta própria, o que os faz cair em armadilhas perigosas, como a visão limitada e o desconhecimento de indicadores importantes.

Por isso, contar com um parceiro especializado em prevenção a fraudes é garantir que a expertise seja aplicada em prol da confiança entre varejo e consumidor, além de garantir a manutenção de resultados altamente satisfatórios nos indicadores.

A ClearSale, por exemplo, vai muito além do combate a fraudes, ajudando a criar e rastrear os indicadores que ajudam empresas no processo de expansão dos negócios. Nossa abordagem exclusiva para prevenção de fraudes significa que não apenas impedimos a ocorrência de fraudes - também aprovamos mais pedidos legítimos, o que ajuda a aumentar suas vendas.

Combinamos a avançada tecnologia das inteligências estatística e artificial com a maior equipe do mundo de analistas especializados em fraudes, para oferecer uma abordagem equilibrada e diferente de qualquer outra coisa disponível no mercado.

Desde a nossa fundação, em 2001, nos dedicamos a inovar constantemente para otimizar e aperfeiçoar nossos processos, com objetivo de reduzir fraudes e falsos-positivos ao mesmo tempo em que o varejista aumenta as vendas online, a receita e a satisfação do cliente.

Conteúdo relacionado:

ClearSale adquire Send4 e amplia atuação no combate a fraudes

Veja 5 dicas para vender mais e gastar menos em seu e-commerce

ClearSale evita R$ 1,9 bilhão em prejuízos com fraudes em 2019

Você conhece os indicadores corretos para seu e-commerce?

Título

Escrito por

Jornalista responsável pela produção de conteúdo da ClearSale, é graduado pela Universidade São Judas Tadeu e pós-graduado em Comunicação Multimídia pela FAAP. Tem 10 anos de experiência em redação e edição de reportagens, tendo participado da cobertura dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo. Renovado após seis meses de estudo e vivência no Canadá, aplica agora seus conhecimentos às necessidades do mundo corporativo na era do Big Data.