1/11/2022 •
2 min. de leitura

Moedas digitais e segurança: entenda qual é a relação

Quais as principais moedas digitais existentes e o que difere uma das outras? Confira nosso artigo sobre o tema e saiba mais!

 
 

As moedas digitais surgiram em um contexto de desvalorização do dinheiro que os governos promovem via inflação. Basicamente, a base monetária se expande sem que a produtividade aumente na mesma proporção, causando um aumento nos preços de produtos, bens e serviços em geral.

Em outras palavras, houve somente um aumento na quantidade de dinheiro circulando na sociedade, e não um crescimento genuíno da riqueza e do poder de compra das pessoas. Basta lembrarmos de alguns países que vivenciaram a hiperinflação: para comprar um frango no supermercado, por exemplo, é preciso carregar consigo muitas notas de dinheiro, tamanha a desvalorização destas.

Continue a leitura até o final para entender melhor o que são e exemplos de moedas digitais, bem como a relação delas com a segurança cibernética!

O que são moedas digitais? 

Ao contrário da moeda física, a moeda digital funciona somente no ambiente virtual. Em termos mais técnicos, existe uma arquitetura de rede envolvida chamada p2p ou par a par. Isso significa que a negociação na rede ocorre de forma descentralizada, sem a participação de governos ou bancos centrais.

Dessa forma, existe uma tendência de que essas moedas digitais se valorizarem ao longo do tempo, aumentando o poder de compra das pessoas. Na prática, um indivíduo pode negociar com outro em qualquer lugar do mundo, usando uma espécie de livro contábil digital chamado blockchain.

Basicamente, o blockchain (ou cadeia de blocos) é responsável por registrar todas as transações de moedas digitais. Por mais que os dados ali sejam públicos, existe a criptografia sobre eles, de modo a evitar que intrusos façam a interceptação de uma transação e roubem algum valor dos participantes da rede.

Uma vez feito o registro no blockchain, ele não pode ser alterado, visto que o bloco correspondente recebe uma identificação que dificulta bastante a adulteração do dado presente ali.

Quais são as moedas digitais presentes no mercado? 

A seguir, apresentaremos algumas das principais moedas digitais existentes. Muito provavelmente, você já ouviu falar de algumas ou até de todas elas, mas nas subseções seguintes, explicamos melhor o funcionamento e as particularidades dessas criptomoedas. Confira!

BTC

O Bitcoin foi a primeira criptomoeda que surgiu. Sobre ele, existe uma certa áurea de mistério em torno de quem o criou, sendo Satoshi Nakamoto o nome mais citado nesse sentido. Criado em 2009, o Bitcoin começou a ser mais usado por pessoas, empresas e até governos, pois, desde 2009 para cá, a criptomoeda apresenta uma valorização considerável.

Uma característica fundamental do BTC é que ele é limitado a 21 milhões de unidades. Isso significa que o seu algoritmo foi projetado para não inflacionar, preservando o poder de compra de quem investe na criptomoeda, principalmente no longo prazo. Em intervalos de tempo menores, o Bitcoin apresenta bastante volatilidade, podendo abaixar ou diminuir rapidamente.

Para você ter uma ideia, no exato momento da produção deste artigo, o BTC está cotado em R$ 123.495. Sabe quanto um Bitcoin valia em 2009? Menos de 1 centavo!

ETH

Ethereum, assim como as demais moedas digitais que ainda citaremos no texto, é um projeto originário do Bitcoin. No entanto, o ETH também é considerado um sistema financeiro digital que funciona de modo descentralizado. Datado de 2014, ele surgiu graças a dois desenvolvedores: Gavin Wood e Vitalik Buterin.

USDT

Também conhecida por Tether, a USDT se difere do Bitcoin e do Ethereum por possuir lastro em moeda física. Sobre isso, vale destacar que as duas criptomoedas citadas até aqui são lastreadas na confiança das pessoas que negociam no blockchain.

A princípio, o lastro dessa moeda digital seria em dólar, com a paridade de 1 dólar para 1 USDT. Todavia, viu-se que esse lastro não era aplicável a todas as unidades disponíveis da moeda digital.

Dito isso, não podemos negar que essa criptomoeda tenha algum grau de centralização, diferentemente do Bitcoin. Além disso, ela pode ser atrelada a outras moedas físicas, como o Yen e o Euro, sempre buscando manter a paridade de 1 para 1.

XRP

O XRP, ou Ripple, é uma moeda digital que funciona também como um sistema de pagamento. Nele, a eficiência operacional tende a ser maior que em sistemas comuns, além das taxas praticadas serem menores. Vale deixar claro que a proposta do Ripple destoa quase que praticamente do Bitcoin, visto que ela prevê a participação de bancos e instituições financeiras nas transações.

A ideia, portanto, é tornar mais eficiente a transferência de dinheiro entre os indivíduos em todo o mundo. Um ponto considerado negativo nesse sentido é que o funcionamento dessa criptomoeda depende de regulações, passando por políticos e burocratas ligados ao Estado.

Qual é a relação das moedas digitais com a segurança cibernética? 

Considerando que as criptomoedas, em geral, atuam no blockchain, há um elevado nível de segurança nos dados. No meio físico e em transações convencionais, pessoas não idôneas podem ter acesso a informações financeiras de usuários e praticar atos ilícitos em nome deles. Com criptomoedas, no entanto, fraudes de identidade são praticamente impossíveis de acontecer.

É justamente por esse motivo que moedas digitais como o Bitcoin passaram a ser mais usadas, tanto por empresas quanto por governos, como é o caso de El Salvador. No Brasil, existem quadrilhas especializadas em invadir sistemas de bancos e roubar enormes somas de dinheiro. As criptomoedas, portanto, podem ser excelentes válvulas de escape nesse sentido.

Como ter segurança usando moedas digitais? 

Por mais que o blockchain seja um ambiente bastante seguro, é preciso seguir algumas recomendações de segurança. Entre as principais, podemos citar:

  • criar uma senha de alta complexidade quando for fazer o cadastro em uma corretora de criptomoedas. A ideia é usar maiúsculas, minúsculas, números e caracteres especiais;
  • conectar-se a redes confiáveis, evitando, por exemplo, o Wi-Fi público. Isso é importante principalmente quando o usuário for transacionar valores no blockchain;
  • usar a autenticação de dois fatores quando o usuário for acessar sua carteira digital de criptomoedas.

As moedas digitais oferecem bastante proteção aos usuários. Seguindo as boas práticas de segurança cibernética, é possível reduzir muito o risco de acessos indevidos e fraudes de identidade, algo que existe bastante em transações convencionais envolvendo moedas físicas.

O que achou deste conteúdo sobre moedas digitais? Aproveite e compartilhe nas redes sociais para que outras pessoas também entendam mais do assunto!

Título

Ao fornecer suas informações, você declara estar ciente de nossa Política de Privacidade e aceita que a ClearSale envie informativos, ofertas e outros materiais.

Escrito por

A ClearSale é especialista em soluções antifraude nos mais diversos segmentos, como e-commerce, mercado financeiro, vendas diretas, telecomunicações e seguros, sendo pioneira no mapeamento do comportamento do consumidor digital. A empresa equilibra tecnologia e profissionais especializados para entregar os melhores indicadores aos clientes e movimentar o mercado com segurança e confiança.

Assine nossa newsletter

Ao fornecer suas informações, você declara estar ciente de nossa Política de Privacidade e aceita que a ClearSale envie informativos, ofertas e outros materiais.