4/11/2021 •
2 min. de leitura

KYC - Know Your Customer: saiba o que é, sua importância e como aplicá-lo

 

Veja como a segurança de empresas e consumidores está diretamente ligada ao tanto que se conhece de cada novo possível cliente

 

 
 

A economia digital abriu muitas oportunidades. O problema, no entanto, é que fraudadores e cibercriminosos, também imersos nesse meio, aproveitaram para aperfeiçoar as suas abordagens visando o lucro ilícito.

Quanto maior a evolução da tecnologia, mais modernas e inteligentes vão se tornando as ferramentas utilizadas por esses criminosos. Essa realidade exige que os empresários e gestores evoluam na mesma proporção e estejam sempre um passo à frente dessas pessoas mal-intencionadas.

Com isso, fica clara a necessidade de as empresas, principalmente as do segmento financeiro, adotarem políticas de segurança e compliance para mitigar os riscos de fraude. É assim que surge o KYC (Know Your Customer), que significa conheça seu cliente.

O que é KYC?

Como o próprio nome sugere, KYC diz respeito a um conjunto de estratégias e ações com o objetivo de conhecer os consumidores em cada especificidade. O que se busca com isso é oferecer mais segurança e personalizar o atendimento em todas as interações com o negócio.

Inicialmente, o Know Your Customer era uma forma que as empresas — especialmente as mais preocupadas com corrupção e lavagem de dinheiro — encontraram para evitar fraudes. Isso porque conhecer melhor os clientes é um ponto chave para evitar crimes de falsidade ideológica, por exemplo.

Mas, com o passar do tempo, ficou claro que o KYC é útil também para outros processos. Muitas pessoas associam o conhecimento do cliente com algo restrito ao marketing e vendas. Mas isso não é verdade.

É certo que não há como ter uma base de consumidores em uma empresa sem conhecer as necessidades, medos e anseios de cada um deles. Porém, o KYC vai além disso, tendo uma abordagem diferenciada com foco em outras áreas do negócio.

O conhecimento do cliente serve também para coibir a prática de ações fraudulentas, protegendo a empresa de ataques e vazamento de dados. Isso é especialmente importante para as ocorrências que afetam diretamente o consumidor.

Quais são as vantagens que o KYC pode proporcionar?

Entendido o conceito, mostraremos as principais vantagens que esse tipo de solução pode proporcionar. Confira a seguir!

Prevenção de riscos

Ao analisar detalhadamente os dados dos clientes, você diminui riscos relacionados a eles próprios e ao seu negócio. Assim, evita que fraudes possam gerar multas e punições severas contra sua empresa.

Otimização do lucro

Existem aqueles que acreditam que esse tipo de solução pode gerar mais custos para a empresa. Mas o que ocorre é o contrário, já que o seu negócio se beneficia com a redução de riscos de fraude.

Retenção de clientes

Embora a ideia do KYC esteja centralizada na prevenção de riscos, o conceito também pode servir como uma excelente estratégia de marketing para reter seus consumidores. Isso porque, a partir do momento que eles entendem que sua empresa tem a preocupação com a segurança de dados, se tornam mais confiantes em disponibilizar suas informações mais sensíveis.

Qual é a importância do KYC?

O KYC é uma ferramenta de prevenção e segurança. Ele é parte de um protocolo internacional de segurança, essencial para conhecer o risco envolvido no onboarding de clientes e no cumprimento de exigências legais.

Um processo de KYC implementado e realizado da forma correta faz com que a organização conheça a identidade do cliente, compreenda a natureza das atividades, garanta a legitimidade da fonte de renda e detecte padrões suspeitos ou potencialmente fraudulentos. Com isso, a ideia é evitar a fraude e, caso aconteça, tentar interrompê-la. Por fim, também consegue avaliar riscos de crimes como lavagem de dinheiro.

KYE (Know Your Employee)

Em alguns casos, fraudes no mercado financeiro contam com a facilitação de colaboradores das empresas, já que eles têm um acesso muitas vezes mais rápido a informações sensíveis e confidenciais.

O conceito de KYE vem para mitigar o risco desse tipo de acontecimento, principalmente no ato da admissão. Isso porque, nesse momento, é possível cruzar dados para saber se o novo colaborador está em conformidade com as políticas de compliance em vigor na empresa.

KYP (Know Your Partner)

Parceiros e fornecedores também costumam ter acesso a informações sigilosas. Assim, definir uma política eficiente de KYP para esses atores é importante. É por isso que as grandes corporações aplicam muitas vezes políticas rigorosas de compliance em seus contratos com fornecedores e parceiros.

Como o KYC funciona?

O KYC é de adoção obrigatória em algumas instituições financeiras e entidades políticas. E, para que isso ocorra, é necessário que todos os departamentos estejam envolvidos na construção desse processo. Assim, os profissionais colaboram para a coleta e análise das informações dos consumidores.

Nos negócios que não estão centralizados nessas atividades, é possível implementar o KYC de forma semelhante, já que ele tem o mesmo funcionamento. Aqui existem pontos que merecem destaque para que o KYC funcione. São eles:

  • a classificação de riscos necessária para analisar o grau de ameaça que cada cliente passa;
  • o conhecimento sobre o patrimônio do consumidor, analisando informações que comprovem a origem e veracidade do capital;
  • o veto de relacionamento, negando contratos ou negociações com clientes considerados de alto risco.

Cada uma dessas etapas é feita mediante a coleta de documentos, além da identificação de dados financeiros, bem como a validação de todos eles.

KYC em políticas de compliance

O KYC é especialmente utilizado em políticas de compliance. Por meio dele, a empresa pode colocar todos os seus processos de segurança de dados em conformidade com as principais exigências do mercado.

Apesar de não ser obrigatório para a maioria das situações, esse conceito pode facilitar o dia a dia das empresas em termos de segurança da informação, evitando que elas venham sofrer problemas mais graves no futuro.

Aliar o compliance ao KYC é uma alternativa muito interessante para demonstrar ao mercado que a sua empresa está preocupada com a forma como os dados são tratados e mantidos no sistema. Isso gera mais confiança nos consumidores que venham a fazer algum tipo de negócio com sua empresa. Como resultado, você potencializa suas vendas.

Por meio dessa política, a empresa pode detectar possíveis fraudes, bem como os setores do negócio que prestam suporte a esse tipo de ação. A ideia do compliance vem se tornando tão abrangente que passou a fazer parte dos valores, cultura e missão das empresas.

Qual é a relação entre KYC e LGPD?

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) já é uma realidade em nosso país. Nesse contexto, quem não se adequar poderá sofrer graves consequências. Entre elas, temos a aplicação de uma multa de 2% sobre o faturamento da companhia.

A boa notícia é que a adequação a esse tipo de procedimento se tornou mais simples. Isso porque, ao adotar a inciativa do KYC você implementa um nível de segurança altíssimo em seu negócio, contribuindo de forma significativa para a LGPD.

Ao eliminar os riscos do vazamento de dados, você blinda as informações que são confiadas ao seu negócio. Desta forma, evita que elas sejam disseminadas na internet. O KYC utiliza uma quantidade considerável de informações sensíveis de um cliente inspecionado.

Nesse sentido, o empresário também deve ter cuidado quanto às exigências da LGPD. Isso porque a legislação também impõe alguns limites para essa utilização. Logo, é importante que o seu cliente tenha ciência de que pode estar passando por um processo de verificação, garantindo a sua própria segurança, assim como a da empresa.

Como estruturar e implementar o KYC?

Implementar o KYC em uma empresa consiste, fundamentalmente, em criar uma cultura de segurança dentro do quadro de colaboradores, que precisam estar sempre engajados.

Assim, todas as áreas devem estar atentas e adotar a análise de perfis como parte inicial de processos mais seguros. Veja a seguir algumas orientações para implementar o KYC.

Identificar o cliente

Mitigar o risco de crime de falsidade ideológica é o primeiro passo. Isso significa verificar se o cliente que está prestes a fechar negócio realmente é quem ele diz ser. Contudo, isso deve ser feito com o máximo cuidado possível. Afinal, na tentativa de proteger a sua empresa, você não pode correr o risco de perder o seu cliente.

Nessa etapa, é importante colher os dados cadastrais do mesmo e cruzá-los com outras informações, como as do banco de dados de uma empresa especializada no combate a fraudes. Isso vai permitir mapear o perfil e ter um elevado grau de certeza sobre a idoneidade da pessoa.

Qualquer sinal de incompatibilidade ou inconsistência deve ser observado. Ao ser detectada alguma falha, é importante analisar de perto a tentativa de cadastro. Com isso, você terá mais clareza quanto à necessidade de dispensar ou não um cliente.

Estabelecer uma relação de confiança

Nenhum tipo de relacionamento pode ser duradouro se não há confiança. Essa ideia se aplica também ao mundo dos negócios, e os seus clientes certamente precisam desse laço com a sua empresa.

Como não se confia naquilo que não se conhece, é função do KYC preencher essa lacuna e fazer com que a instituição possa classificar com clareza o nível de risco de cada relacionamento, inclusive para gerar vetos, em casos mais extremos.

Quando o risco é mitigado, a instituição consegue, entre outros benefícios, oferecer maior rentabilidade e mais vantagens aos clientes. E, ao passo que a relação de confiança e fidelidade com cada cliente fica mais sólida, a empresa se torna cada vez mais atraente.

Apostar na continuidade

Para que o KYC seja eficiente, além de estruturá-lo e implementá-lo com precisão, é necessário fazer um monitoramento adequado, o que vai levar às melhorias necessárias.

A fraude, assim como outros crimes financeiros, é um processo muito dinâmico. O risco pode aumentar ou diminuir de acordo com a incidência, ou não, de algum determinado fator, e isso tudo precisa estar no radar ativo do programa de KYC.

O conhecimento do cliente e a criação de uma relação de confiança entre ele e seu negócio contribui para que ocorra a continuidade desse processo. Inclusive, isso favorece as vendas e a fidelização dos consumidores.

Como proteger sua empresa?

Uma ferramenta que ajuda muito no processo de KYC é o Data Trust, a mais nova solução da ClearSale para validação inteligente de cadastros. Mais que um antifraude, ele torna o processo de autenticação mais rápido e seguro, gerando menos fricção entre empresas e consumidores. Resultado em uma melhora na experiência do usuário nos mais variados segmentos.

Ao utilizar esse tipo de solução, você protege sua empresa. Além disso, tem tempo suficiente para cuidar de outros aspectos do seu negócio, como: gestão de compras, vendas, financeiro, relacionamento com clientes, fornecedores etc.

Ideias como o KYC podem revolucionar a área de proteção de dados de uma companhia. Contudo, é necessário utilizar ferramentas que ofereçam uma validação cadastral inteligente, capaz de criar um poderoso score antifraude para implementar em sua empresa.

Se você quiser saber mais sobre esse tipo de ferramenta, acesse a página do nosso produto chamado Data Trust

Título

Escrito por

Jornalista responsável pela produção de conteúdo da ClearSale, é graduado pela Universidade São Judas Tadeu e pós-graduado em Comunicação Multimídia pela FAAP. Tem 10 anos de experiência em redação e edição de reportagens, tendo participado da cobertura dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo. Renovado após seis meses de estudo e vivência no Canadá, aplica agora seus conhecimentos às necessidades do mundo corporativo na era do Big Data.