10/11/2022 •
2 min. de leitura

4 pilares da segurança digital para colocar em prática no seu negócio

Quer aumentar a segurança digital em sua empresa? Veja 4 pilares para guiar você na implemetação de ações para isso!

 
 

A segurança digital é uma preocupação cada vez mais presente na mente dos gestores hoje em dia. Afinal, desde fraudes com CPF até invasões bancárias com furto de valores, passando por vazamentos de dados confidenciais, são só alguns exemplos de riscos a que empresas estão sujeitas em transações nesse ambiente.

Negócios e marcas ainda podem sofrer com danos à imagem em situações nas quais seus clientes são atingidos. Porém, as vantagens que as ferramentas virtuais garantem aos processos as tornam indispensáveis. Ou seja, é fundamental dar atenção a esse assunto com urgência para usufruir sem perigo.

Para isso, vamos contar quais são os 4 pilares desse tipo de proteção e muito mais neste conteúdo. Confira!

O que é segurança digital?

Trata-se do conjunto de processos, medidas e ferramentas implementados a fim de assegurar a proteção de ativos — tanto informações quanto valores — que estão em um ambiente virtual.

Aplica-se a dispositivos, redes, softwares ou arquivos, atuando por meio de políticas, soluções de segurança e atividades de monitoramento ou bloqueio, cujo objetivo é evitar perdas financeiras decorrentes de:

  • vazamentos ou acessos indevidos a dados confidenciais;
  • fraudes, crimes ou golpes digitais.

A necessidade de promover ações em prol da segurança digital não é algo novo. Pois, mesmo em seu início, o uso comercial da internet já estava acompanhado de fraudes, danos e crimes, exigindo providências nesse sentido desde então.

Entretanto, com a popularização de compras em e-commerces, operações via bancos virtuais e outras transações nesse ambiente, essa preocupação cresceu. Com o home office, informações empresariais estratégicas passaram a estar disponíveis em nuvem ou a serem discutidas em reuniões online, elevando ainda mais a pressão sobre esse assunto.

Mais que isso, no complexo cenário econômico atual, novas ferramentas eletrônicas de controle, organização e produtividade têm sido amplamente utilizadas a fim de aumentar a competitividade.

Assim, essa proteção ganhou importância à medida que a necessidade de lançar mão desses recursos e os riscos decorrentes disso também se tornaram maiores. Afinal, hoje há muitas situações que acontecem nesse meio cujo impacto é negativo e, portanto, precisam ser evitadas.

Para você ter uma ideia melhor sobre quais são elas, temos um infográfico que apresenta os 5 ciberataques mais frequentes. Confira e descubra do que sua empresa precisa se prevenir!

Os 5 ciberataques mais frequentes_Prancheta 1 (1)

Além de responder às demandas do momento atual, ao investir nessa proteção o negócio obtém diversas vantagens:

  • promover uma sensação de segurança para colaboradores, fornecedores e clientes;
  • eliminar os danos que vazamentos causam a reputação e a imagem corporativa;
  • aumentar a capacidade de resposta diante de ataques;
  • reduzir prejuízos por fraudes ou outros crimes;
  • estar em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD);
  • minimizar as falhas humanas e seus efeitos.

Quais são os 4 pilares da segurança digital?

Como visto, a segurança digital envolve uma série de ações preventivas ou corretivas. Diante disso, para guiar a sua implementação, é indispensável conhecer os pilares associados a esse conceito. Veja os 4 principais a seguir!

1. Confidencialidade e autenticidade

Mesmo antes da regulamentação que a LGPD agregou ao tratamento de informações, essa prática já era vista como confidencial dentro da segurança digital.

Nesse sentido, tais elementos somente devem ser acessados ou manipulados por pessoal autorizado e mediante interesses legítimos. Para essa finalidade, algumas ações que asseguram a autenticidade da identidade do usuário devem ser tomadas. Entre elas:

  • ter políticas de controle de acesso;
  • utilizar criptografia;
  • contar com autenticação em dois fatores;
  • criar senhas fortes.

2. Integridade

A integridade é o pilar da segurança digital que se refere à qualidade das informações. Ela pressupõe a necessidade de garantir que os dados são confiáveis, verdadeiros, completos e precisos. Ou seja, que não foram corrompidos de nenhuma maneira.

Para que haja tal preservação dessas características é imprescindível investir na implementação de barreiras de proteção que impeçam sua alteração ou exclusão fora das condições autorizadas, bem como evitem erros humanos, fraudes ou ciberataques.

3. Disponibilidade e acessibilidade

Os exemplos mais claros dos danos gerados pela ausência de disponibilidade envolvem as perdas financeiras causadas por um canal virtual de negociação inacessível ou instável e as falhas decorrentes da falta de informações para consulta.

Basicamente, esse pilar implica que quando se trata de serviços, softwares, plataformas ou ambientes digitais, sua oferta não pode ser interrompida. Colocar isso prática inclui:

  • tornar a manutenção ágil;
  • evitar ataques;
  • ter um plano de disaster recovery;
  • eliminar brechas nos sistemas.

4. Rastreabilidade e irretratabilidade

Como ideias complementares, a rastreabilidade e a irretratabilidade são conceitos que permitem alcançar uma certeza absoluta sobre a autoria de uma ação no ambiente virtual. Ferramentas de certificação de identidade, senhas e assinaturas eletrônicas são alguns dos meios capazes de promover isso.

Dessa forma, fica registrado quem, quando e como ocorreu um fato, eliminando a possibilidade de negativa pelas pessoas ou empresas que o realizaram. Assim, a responsabilidade por danos, erros e falhas pode ser auferida.

Como implementar a segurança digital?

Os 4 pilares da segurança digital já apresentam várias dicas e exemplos de medidas capazes de promovê-la. Entretanto, colocá-la em prática, implementando um nível avançado de proteção, exige um conjunto complexo de ações, incluindo:

  • desenvolver uma política de segurança da informação contendo todos comportamentos, normas e regras para o tratamento de dados, que sirva como guia para os envolvidos nessa atividade;
  • promover a boa utilização desse documento, treinando a equipe e atualizando-o com frequência para acompanhar as mudanças tecnológicas;
  • manter uma infraestrutura e um time de TI qualificados, cujos recursos permitam a implantação e o bom andamento dos melhores processos em busca dessa meta;
  • adotar meios de controle e autenticação de acesso visando a confidencialidade e a rastreabilidade dos usuários;
  • criar um plano de prevenção, monitoramento e gestão de riscos que oriente a atuação dos funcionários diante dessas situações.

A segurança digital parte dos 4 pilares apresentados para implementar ações práticas que permitam que os empreendimentos usufruam de suas vantagens. Assim, no ambiente de negócios, investir nisso é fundamental. Afinal de contas, a falta dessa proteção abre a porta para riscos e danos.

Na ampla rede virtual em que empresas e pessoas se relacionam, o ideal é que todos ajam em prol da segurança. Por isso, compartilhe este conteúdo e permita que outros também possam investir de forma certeira e segura!

Título

Ao fornecer suas informações, você declara estar ciente de nossa Política de Privacidade e aceita que a ClearSale envie informativos, ofertas e outros materiais.

Escrito por

A ClearSale é especialista em soluções antifraude nos mais diversos segmentos, como e-commerce, mercado financeiro, vendas diretas, telecomunicações e seguros, sendo pioneira no mapeamento do comportamento do consumidor digital. A empresa equilibra tecnologia e profissionais especializados para entregar os melhores indicadores aos clientes e movimentar o mercado com segurança e confiança.

Assine nossa newsletter

Ao fornecer suas informações, você declara estar ciente de nossa Política de Privacidade e aceita que a ClearSale envie informativos, ofertas e outros materiais.