23/05/2022 • 12 min. de leitura

Pix Parcelado: tudo que você precisa saber sobre essa função

Quer saber como o Pix Parcelado pode aumentar as vendas no e-commerce e entender as questões ligadas à segurança nas transações? Neste artigo explicamos sobre esses e outros aspectos do sistema de pagamento!

Você já ouviu falar em Pix Parcelado? Se já, fique tranquilo: não é tentativa de fraude, nem tampouco fake news. Essa nova modalidade de pagamento está em fase de implementação e deve começar a ser oferecida em breve aos clientes como mais uma opção para compras.

Oficialmente batizado de Pix Garantido, o Pix Parcelado, como também é chamado, permitirá dividir o valor das compras sem taxas, tanto para quem paga quanto para quem recebe. Trata-se de um desdobramento e ampliação do Pix já utilizado, que promete ser de grande utilidade para pequenos empreendedores.

Neste artigo, vamos explicar como funciona o Pix Parcelado e suas principais vantagens. Também mostraremos como o novo sistema de parcelamento pode ajudar a aumentar as vendas presenciais e digitais, bem como os desafios dessa modalidade e as expectativas em relação à sua atualização. Boa leitura!

Como funciona o Pix Parcelado?

Com previsão para ser lançado no 2º semestre de 2022, o Pix Parcelado permitirá que as pessoas parcelem as suas compras presenciais e virtuais da mesma forma como é feito com o cartão de crédito.

Alguns bancos e fintechs já se anteciparam e acrescentaram essa possibilidade em seus aplicativos. A ideia é a pessoa poder receber o valor à vista, e o pagador poder parcelar essa quantia sem a necessidade de utilizar um cartão de crédito.

Como os juros relacionados a esse novo tipo de transação ainda não foram definidos pelo Banco Central, cada instituição financeira tem adotado diferentes regras. Em alguns bancos, é possível parcelar um determinado valor de crédito em até 24 vezes, com parcelas a partir de R$ 5. A contratação é 100% digital e simples, por meio do aplicativo do banco.

Nas instituições financeiras, o Pix Parcelado só está funcionando para clientes com uma linha de crédito pré-aprovada, com um valor igual ou maior do que o da compra que deseja efetuar. O parcelamento pode ser realizado em até 12 vezes, com valor mínimo de R$ 15 por parcela.

Já no sistema PicPay, é necessário utilizar a carteira digital, que permite o uso do cartão de crédito para realizar um Pix. Isso ajuda o usuário em momentos em que é necessário enviar uma certa quantia, mas a pessoa não tem saldo suficiente na conta. Assim, o valor é transferido para a fatura e pode ser parcelado em até 12 vezes.

Quem pode usar o Pix Parcelado?

Qualquer pessoa física quanto ou jurídica pode utilizar o Pix Parcelado. Basta ter uma conta transacional em um prestador de serviço de pagamento, como instituições financeiras ou de pagamento, participantes do sistema Pix. A conta transacional se refere a uma conta corrente, conta poupança ou conta de pagamento pré-paga.

Dessa forma, os consumidores, assim como os varejistas, bancos e instituições financeiras, poderão usar o Pix Garantido para transações comerciais e financeiras, físicas ou online.

O processo de cadastramento da chave Pix é simples e apresentado de maneira didática e intuitiva. Basta acessar a sua conta bancária pelo aplicativo, Internet Banking ou em terminais de autoatendimento e buscar essa funcionalidade.

Quais são as principais vantagens do Pix Parcelado?

Esse sistema proporciona vantagens para os consumidores e lojistas. Isso porque, após selecionar um produto ou serviço que deseja adquirir, o cliente pode dividir o total da aquisição até o limite de parcelas que o vendedor estabelecer.

Já o lojista recebe o valor instantaneamente em sua conta. Com isso, há uma melhoria no fluxo de caixa do negócio e a otimização da gestão financeira. Além desses benefícios, o Pix Parcelado também pode proporcionar diversas vantagens para os varejistas, conforme comentamos a seguir.

Garantia de recebimento dos valores parcelados

Como o próprio nome sugere, o Pix Garantido garante ao varejista o recebimento dos valores que parcelou em suas vendas. Isso porque ele funciona com um intermediário, banco ou uma fintech, com o qual o cliente tem um relacionamento. Dessa forma, caso não haja saldo na conta do cliente no dia de debitar a parcela, a instituição financeira paga o recebedor e cobra o pagador.

Compensação na hora

Uma das principais diferenças entre o boleto e o Pix, por exemplo, é o tempo de compensação. No primeiro caso, a média praticada é de 1 a 3 dias úteis, a partir da efetivação do pagamento, para a liquidação e valor disponibilizado ao recebedor.

Já no caso do Pix, não há esse tempo de liquidação, pois o valor é disponibilizado na conta do recebedor em até 10 segundos após a realização do pagamento, inclusive em feriados e finais de semana, independentemente do horário.

Grandes probabilidades de aumentar o ticket médio das vendas

Diferentemente do que acontece com os cartões de crédito, até o momento, não há nada que indique limites de valores no sistema Pix Parcelado. Se isso for mantido, há grandes possibilidades de aumento de tickets médios para os lojistas, já que os clientes poderão utilizar essa ferramenta para realizar compras mais caras.

Expansão dos grupos de clientes atendidos

Para efetuar um parcelamento no Pix, não é necessário que a pessoa tenha um cartão de crédito, mas apenas uma conta corrente ou poupança vinculada a esse sistema de pagamento.

Dessa forma, o varejista que oferecer esse meio de pagamento terá a oportunidade de atender a novos tipos de consumidores, como os que não têm cartão de crédito ou até mesmo os que têm, mas não desejam comprometer o limite.

Taxa de conversão

Para qualquer negócio, a taxa de conversão é considerada um dos indicadores mais importantes. Embora o boleto represente uma boa taxa, dá margens para desistência. Já o Pix, devido à sua praticidade e agilidade, tem melhor conversão, pois representa 67%, enquanto a do boleto é de 43%, segundo dados do Mercado Pago.

Gestão de estoque

Com o Pix, não há necessidade de segurar o produto no estoque por vários dias para aguardar a compensação do pagamento. Assim, é possível despachá-lo logo após a compensação ou liberá-lo no estoque para que outro cliente possa realizar a compra.

Aqui, é importante lembrar que o pagamento com Pix fica disponível por apenas 30 minutos. Dessa forma, caso o cliente tenha desistido, o estabelecimento não sofre prejuízos pelo tempo de reserva do produto, como ocorre quando é utilizado o boleto bancário. Também há um menor custo de armazenamento devido ao maior giro dos produtos.

Conciliação das vendas

Assim como ocorre com o boleto, o Pix integrado ao checkout da loja virtual proporciona diversas vantagens para o negócio, como melhorias em toda a gestão e conciliação das vendas. Para se certificar de que isso ocorrerá de maneira eficiente, é preciso contar com uma solução robusta de pagamento online, de modo a oferecer um painel completo para monitoramento e análise de tudo o que acontece na jornada de compra.

Alguns lojistas iniciaram o uso do Pix compartilhando a chave diretamente com o cliente, que, por sua vez, faz a transferência e envia o comprovante. Embora isso seja muito simples para o consumidor, essa prática dificulta a gestão da loja, já que ela terá que fazer o controle das entradas por meio dos comprovantes. Além disso, pode passar uma imagem de informalidade ou até mesmo insegurança.

Custo

As instituições financeiras costumam cobrar taxas que podem variar entre R$ 3,00 e R$ 8,00 pelo boleto compensado. Contudo, em alguns casos, os emitidos também podem ser objetos de taxação. Também pode haver cobranças para os demais processos, como alterações, conciliação de recebíveis por boletos, baixas e cancelamentos. No Pix, os valores são normalmente menores que os dos boletos, assim como em relação a outros meios de pagamento, como os cartões de crédito.

Fluxo de caixa 

O Pix proporciona vantagens em relação ao fluxo de caixa do varejista, pois o valor entra na conta mais rápido do que em vendas com cartão ou boleto, possibilitando melhor gestão.

Também exige menos antecipação de recebíveis, além de permitir uma rastreabilidade mais eficiente das vendas do que as que ocorrem em transações com dinheiro.

Potencial diminuição das tarifas cobradas pelas operadoras de cartões

A expectativa é que as operadoras de cartões reduzam taxas e juros, tanto para os consumidores quanto para os lojistas, a fim de continuar oferecendo as suas soluções de maneira mais atrativa.

Como o Pix Parcelado pode aumentar as vendas no comércio digital?

Segundo o E-commerce Brasil, a busca por novos meios de pagamento tem sido o foco de varejistas. Uma dos principais motivos para essa tendência é a alta taxa de abandono de carrinho, superior a 60%. Além disso, segundo dados da organização, mais de 61 milhões de consumidores não têm acesso a cartões de crédito.

Outra pesquisa da instituição apontou que 42% dos lojistas planejam disponibilizar novos meios de pagamento em 2022. Essa nova postura considera que passar por toda a jornada de compra e não poder finalizá-la é altamente frustrante para o cliente, assim como para o varejista.

Já quando é oferecido um meio de pagamento inclusivo, além da conversão, as probabilidades de recorrência de compra também se elevam. Isso porque, como essa modalidade ainda é pouco explorada no país, as lojas que oferecem o CDC no e-commerce se evidenciam.

Nesse sentido, é importante observar que, ao oferecer mais uma opção de pagamento, como o Pix Parcelado no momento do fechamento da compra online, ocorre um estímulo natural à conversão. Afinal, até chegar nesse ponto o consumidor já explorou toda a loja, selecionou os produtos e pretende fechar negócio.

O social commerce e o Pix Parcelado

Uma das tendências do e-commerce é o social commerce, que ganhou força com a necessidade de isolamento devido à pandemia. Trata-se de uma estratégia de vendas que utiliza as redes sociais para atrair clientes e estreitar o relacionamento com o consumidor, usando-as como vitrine e chamariz para a loja virtual ou física.

Há, também, lojistas que, em vez de direcionarem o cliente para o e-commerce ou marketplace, proporcionam ao consumidor a possibilidade de comprar diretamente na própria rede social. Com esses tipos de estratégia, também aumenta a necessidade de criar formas de pagamentos que facilitem as compras e auxiliem os varejistas nas vendas online.

Por isso, novas tecnologias já estão ganhando mais espaço no mercado e se tornando essencial para quem deseja vender mais. Mas, para haver uma boa estratégia de social commerce, é necessário mais do que organizar as suas redes sociais. É preciso que loja física, online e feed trabalhem com a mesma linguagem, pensando na omnicanalidade (multicanal de comunicação) e na experiência do cliente em relação a tudo isso.

Conforme já comentamos, em compras online, alguns dos principais aspectos que influenciam diretamente na experiência do consumidor são as formas de pagamento. Isso porque muitos desistem de finalizar uma compra por falta de opção adequada ao seu perfil.

Por isso, ao oferecer opções de pagamento aos consumidores, é importante ter o Pix nas possibilidades. Além de já ser conhecida como uma maneira rápida, fácil e segura de pagamento, a tendência crescente no mercado é de empresas que também ofereçam soluções como o parcelamento por essa modalidade.

Quais são os desafios do Pix Parcelado?

O Pix foi inserido no contexto econômico para expandir e modernizar o mercado. Ele chegou para mudar o comportamento dos consumidores e está conseguindo. Com o isolamento social provocado pela pandemia de Covid-19, o processo de digitalização foi acelerado, e esse novo meio de pagamento se tornou um grande diferencial.

As transações com Pix vêm crescendo em ritmo alto, em média em 56% dos sites, demonstrando ser uma grande oportunidade para o varejo. Nesse sentido, a criação de novos produtos pelo BC indica a aceleração do avanço na democratização dos meios de pagamento. Conheça, a seguir, as inovações que serão introduzidas nesse sistema em 2022:

  • Pix Saque — permite saques em estabelecimentos comerciais, como lojas, padarias e supermercados
  • Pix Troco — o consumidor efetua uma compra e paga com Pix, porém, com um valor superior ao dos produtos ou serviços adquiridos, e o estabelecimento devolve a diferença;
  • Pix Garantido (Parcelado) — permitirá o parcelamento dos pagamentos, como ocorre com o cartão de crédito, bem como agendar pagamentos;
  • Pix por Aproximação — será utilizado o mesmo sistema que já é conhecido para o QR Code, quando aproximamos o celular da máquina de cartão;
  • Pix Cobrança — funcionará como o boleto de cobrança, porém, mais agilizado, já que o credor receberá o valor instantaneamente;
  • Pix Débito Automático — as contas de consumo, como luz, água e telefone, poderão ser programadas para o pagamento automático com Pix;
  • Pix Offline — o Banco Central está testando três tipos de tecnologias. Uma delas é o QR Code offline, que permite acesso sem necessidade de conexão com a Internet.

Essas inovações exigirão que os líderes digitais incluam esses novos sistemas como outras opções de pagamento aos consumidores digitais. Dessa forma, as empresas que não fizerem isso rapidamente tendem a ficar para trás, perdendo muitas oportunidades concretas de aumentar as vendas e reter os clientes atuais.

Integração do Pix para facilitar o controle de vendas

Um dos grandes desafios do varejo em relação ao Pix é a questão da integração. Para acelerar a sua aceitação pela automação comercial, os varejistas precisam de uma solução que proporcione, de maneira simplificada e com agilidade, um parceiro que aceite diversos tipos de Provedor de Serviço de Pagamento (PSPs).

Iniciadores de pagamento para o comércio eletrônico

Com o objetivo de impulsionar a utilização do Pix, as instituições autorizadas pelo Banco Central na terceira fase do Open Banking poderão proporcionar o serviço de iniciação de pagamento e não utilizar mais o Pix “copia e cola”. Esse é o sistema com o qual o consumidor precisa copiar um código e entrar no app de banco para concluir uma transação.

Essa inovação evita que o usuário seja interrompido durante o processo de compra. Esse serviço também facilitará a jornada do cliente, principalmente no comércio eletrônico, já que a proposta é que o consumidor seja direcionado para a tela de autenticação no app do seu banco, obtendo mais agilidade e uma experiência muito mais fluida, em menos etapas.

Pagamento no cartão de crédito e Pix Parcelado

Com base nas instituições que já se anteciparam no uso do Pix Parcelado, há um indicativo de que o fator decisivo para o seu uso serão os juros. Atualmente, o cartão de crédito tem que lidar com altos juros tanto para os clientes quanto para os lojistas.

Segundo dados oficiais do Banco Central, a taxa de juros cobrada por instituições financeiras em relação ao crédito parcelado pode variar entre 7,78% e 654,23% ao ano. Com a implementação do Pix parcelado, é possível que esses percentuais sejam diferentes e, com isso, haja migração para a utilização desse novo meio de pagamento. Tudo dependerá da sua regulamentação.

Hoje, o Pix é bastante utilizado em transações entre pessoas físicas e a cada dia ganha mais força no comércio varejista. Exemplo disso são as grandes redes de supermercados que já oferecem essa solução como um dos meios de pagamento.

A propósito, soluções de pagamento sem a utilização de cartões já fazem parte de alguns novos modelos recentes no mercado, como o PicPay. Esse é um aplicativo brasileiro que funciona como uma carteira digital e permite que o valor acumulado seja utilizado para o pagamento de compras e de contas.

O cartão de crédito não deve acabar

Segundo especialistas, o Pix Parcelado não deve acabar com os cartões. Isso porque, embora represente um grande avanço para transformar o mercado de crédito, ainda necessita de melhorias para ser utilizado no ambiente físico.

Um dos aspectos é que, para parcelar no Pix, é necessário que o cliente tenha saldo em conta. Já o cartão de crédito não apresenta essa exigência. Outro motivo, é que os usuários mais tradicionais podem ter alguma resistência no uso da nova função e continuar usando o método de pagamento com o qual já se acostumaram.

Um terceiro motivo é que o Pix Parcelado não oferece benefícios como os programas de fidelidade e as pontuações que podem ser trocadas de diferentes maneiras. Sobre esses aspectos, é importante considerar que a principal proposta dessa ferramenta não é comprometer a utilização de outras, mas, sim, facilitar a vida das pessoas que pagam e que recebem.

Segurança online para pagamentos

Embora o sistema Pix seja seguro, tanto o e-commerce quanto os consumidores devem sempre ficar atentos a possíveis tentativas de golpes. Para além do investimento das instituições em segurança online, é preciso ter cuidados e não passar nenhum dado pessoal por telefone ou clicar em links que pareçam suspeitos em aplicativos e e-mails.

Um tipo de fraude que pode ocorrer na criação de chaves é o sistema que alguns criminosos criaram por meio de sites que enganam as pessoas afirmando que elas deveriam criar a chave Pix nesses endereços. Dessa forma, o usuário faz o cadastro, porém, ao enviar o seu código para receber algum valor, o montante é direcionado para a conta do criminoso, e não do seu titular. Muitas pessoas já foram enganadas dessa maneira.

Como evitar golpes

Uma possibilidade para aumentar a segurança é cadastrar apenas chaves aleatórias, em uma combinação de números, letras e símbolos gerados aleatoriamente. Além disso, é fundamental saber identificar os golpes. Veja, a seguir, alguns cuidados a serem tomados:

  • proteja o celular com senhas e métodos que impeçam o acesso de terceiros, como a biometria digital e o reconhecimento facial;
  • adicione chaves Pix de maneira correta a uma conta e sempre por meio das plataformas digitais oficiais, como o aplicativo do banco. É importante lembrar que o registro das chaves por telefone é proibido pelo BC;
  • não forneça senhas de contas bancárias a outras pessoas. Lembre-se que bancos, empresas, instituições financeiras e operadoras de cartão nunca solicitam essas informações aos seus clientes;
  • desconfie de possíveis contas falsas nas redes sociais;
  • desconfie de links de confirmação enviados para o seu celular ou e-mail sem que você tenha feito uma solicitação.

Quais são as expectativas de atualização no Pix?

Para 2022, além do Pix Parcelado, o Banco Central planeja implementar atualizações no Pix Cobrança e lançar o débito automático no Pix. No primeiro, a mudança começa a permitir a integração por meio de um arquivo padronizado que deverá facilitar o pagamento em lote. Atualmente, essa integração ocorre por meio da API Pix, padronizada pelo BC

Cada banco tem uma padronização de arquivos de remessa e de retorno. Com isso, as empresas que efetuam esses tipos de transações serão beneficiadas e terão a rotina simplificada.

Conforme comentamos ao longo deste artigo, o Pix Parcelado revolucionará o modo como os consumidores e varejistas parcelam as compras. Os benefícios serão reais para ambas as partes e a tendência é que esse novo meio de pagamento traga reais melhorias, principalmente para o comércio eletrônico, que poderá ampliar e aumentar as suas vendas.

Essas informações foram úteis? Para saber mais sobre o Pix e entender melhor sobre a segurança desse sistema, gostaríamos de convidá-lo para acessar nosso conteúdo no Spotify que aborda o tema.

Título

Escrito por

Jornalista responsável pela produção de conteúdo da ClearSale, é graduado pela Universidade São Judas Tadeu e pós-graduado em Comunicação Multimídia pela FAAP. Tem 10 anos de experiência em redação e edição de reportagens, tendo participado da cobertura dos principais acontecimentos do Brasil e do mundo. Renovado após seis meses de estudo e vivência no Canadá, aplica agora seus conhecimentos às necessidades do mundo corporativo na era do Big Data.

Assine nossa newsletter

Ao fornecer suas informações, você declara estar ciente de nossa Política de Privacidade e aceita que a ClearSale envie informativos, ofertas e outros materiais.

Leitura em Libras